sexta-feira, junho 06, 2014

Juízo Divino x Juízo Humano

Frequentemente recebo e-mails de leitores não-Adventistas do blog com observações sobre minha postagens a respeito da doutrina Adventista. Um dos últimos tem sido "insistente" com relação ao tema do INFERNO, como se eu (ou os Adventistas) não acreditasse no JUÍZO DIVINO. Até de "anti-Cristo" fui chamado dessa vez... kkkkk

Eu fico triste por ver pessoas que se julgam crentes em Jesus, filhas de Deus, mas que acreditam que nosso Senhor condenará ao FOGO ETERNO aqueles que não O aceitarem, como se esta fosse a única forma de JUSTIÇA que Ele pudesse executar. Assim como os judeus de Sua época, estas pessoas têm uma imagem completamente distorcida do DEUS ETERNO.
Vamos relembrar alguns conceitos bíblicos sobre o JUÍZO...

Julgamento Humano

É curioso observar como somos levados a juízo, em especial no âmbito penal ou criminal, quando COMETEMOS ALGO DE ERRADO. Ou seja, se a pessoa cometeu um ato que é tipificado juridicamente como "crime", então tal pessoa estará passível de ir a julgamento. Exemplos: um assassino, um ladrão, um estelionatário, etc.

Não vemos ninguém indo a um julgamento por ter feito algo de bom para a sociedade. Por exemplo: ninguém é levado a júri por ter ajudado uma senhora idosa a atravessar uma rua. O máximo que esta pessoa talvez receba seja uma menção honrosa, caso alguma emissora de TV, coincidentemente, esteja fazendo uma reportagem no local...rs

Na Igreja é da mesma forma: os processos disciplinares só ocorrem quando cometemos algum erro em nossa conduta pública, que possa trazer algum escândalo para a imagem da Igreja... ou por negação obstinada da fé.

Mas nenhum membro é levado a "julgamento" pela Comissão da Igreja (e posteriormente pela Assembleia desta) por ser um fiel dizimista, por exemplo, ou por ser o primeiro a chegar no sábado de manhã.

Portanto, vemos que os julgamento humanos (na esfera penal) são feitos para condenarem (ou absolverem) pessoas acusadas de algum ato marginal à lei, inclusive nas leis eclesiásticas.

Julgamento Divino

Mas parece que na esfera divina o foco do juízo é outro. Não me refiro ao "juízo" divino do ponto de vista de que nossas escolhas erradas levarão, fatalmente, a conseqüências desastrosas, mas ao "julgamento" em sua fase final no Céu (que Deus realiza desde 1844 d.C.), no qual Jesus é nosso fiel Advogado.

Vejamos alguns textos reveladores sobre este assunto:

"Ninivitas se levantarão, no Juízo, com esta geração e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas..." - Mateus 12:41.

"Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida" - João 5:24.

"Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?" - 1Ped. 4:17.

"dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas" - Apoc. 14:7.

A impressão que tenho é que o Juízo Final, ou seja, aquele que determinará o destino eterno de todo ser humano, não tem como foco principal o que fizemos de ERRADO. Não!

Me parece que o MÉRITO DA QUESTÃO naquele Dia será com base em algo que fizemos (ou deixamos de fazer) de bom. E o que será?

"Você aceitou, pela fé, a justiça salvadora, redentora e transformadora de Jesus em sua vida?"

Percebe?!

O "foco" não é algo de errado que tenhamos feito (como acontece nos julgamentos humanos), mas se tomamos a decisão ACERTADA de receber a Jesus como nosso Salvador. Imagino Deus, ao "julgar" os nomes, um a um, em Seu grande Livro, indagar diante do Tribunal:

"Este Meu querido filho, que criei para ser feliz e viver eternamente ao Meu lado, está amparado pela justiça que Jesus concedeu ao pecador arrependido?"

Deus não vai perguntar:
- O que esta pessoa fez de errado? Quantos matou? Quantos roubou? Praticou adultério? Depredou alguma escola? Avançou algum sinal vermelho?

Não! Este não é o foco principal do Julgamento Divino. O Deus que vejo nas Escrituras não tem prazer em condenar, mas em ABSOLVER... em SALVAR... em RESGATAR.

Já encontrei muitas pessoas angustiadas porque têm verdadeiro pavor de serem julgadas por Deus e serem achadas em falta, especialmente porque olham para suas vidas e vêem que o que não faltam são falhas a serem condenadas!

Mas, o mais importante a se perguntar é:
- Eu aceitei Jesus como meu Salvador? Eu fiz dEle o meu Advogado Supremo? Tenho fé de que Sua justiça me lavou, remiu e transformou? Deixei minhas "boas" obras de lado, e me amparei somente nas obras perfeitas de Cristo em meu favor?

Isso é o mais importante!

Toda vez que você olhar para você mesmo, só encontrará condenação e repreensão. Mas toda vez que você dirigir seus pensamentos e sua fé para a Pessoa Maravilhosa de Jesus, você descobrirá a alegria da redenção nEle. Um novo horizonte se abrirá em sua vida, e a religião deixará de ser o fardo que, talvez, tenha sido por tanto tempo.

Falhas todos temos... perfeição nenhum de nós temos.
Mas quando aceitamos a Jesus, pela fé, recebemos Sua justiça, e isso nos protegerá da condenação e da morte eterna.


"Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida" - João 5:24.

OBS.: Falei aqui sobre JUSTIFICAÇÃO... para ver o que já escrevi sobre SANTIFICAÇÃO ou FOGO ETERNO dê uma olhada na lista de assuntos ai do lado direito.

Um comentário:

Rodrigo disse...

Se até o próprio Jesus foi chamado de Belzebu...

Imagine seus discípulos.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões