quarta-feira, maio 21, 2014

A Ciência comprovou que Miller estava certo!

A Ciência, quando utilizada sem os preconceitos dos pseudointelectuais, tem se mostrado uma grande ferramenta de comprovação da fé Cristã.

Durante muitos anos, os críticos argumentavam que nossa Bíblia estava cheia de erros, devido aos quase 2000 anos de intervalo entre os escritos originais dos autores (chamados de "autógrafos") e as cópias que dispomos hoje. Sim, porque não existe mais nenhum dos textos saídos diretamente das mãos dos autores neotestamentários.

Os cristãos eram confrontados com desafios do tipo: "Como vocês podem provar que este texto da Bíblia que leem hoje não sofreu alterações ao longo desses 2000 anos?". Houve até alguns eruditos que tentaram separar da Bíblia o que eles consideravam "autêntico" e o que foi classificado como "mito". Do "Pai nosso", por exemplo, só restou o "Pai nosso que estás no céu".

Até meados de 1940 os cristãos só podiam dar uma respostas para estes questionamentos: a fé.

Porém, na década de 1940 Deus suscitou uma revelação arqueológica que CALOU A BOCA dos críticos, e fortaleceu a fé de milhões de pessoas em todo o mundo. Esta foi considerada a maior descoberta arqueológica dos últimos séculos: OS MANUSCRITOS DO MAR MORTO (clique aqui e saiba mais). Estes achados comprovaram, SEM SOMBRA DE DÚVIDAS, que a nossa Bíblia (esta mesma que você lê todos os sábados na Igreja) não sofreu NENHUM ALTERAÇÃO substancial ao longo de tanto tempo. Levando-se em conta os milhares de manuscritos existentes do Novo Testamento, por exemplo, nenhuma outra obra da literatura secular conseguiu tamanha façanha de resistir bravamente, sem alterações em seu texto, ao longo de quase 2 milênios.

Louvado seja Deus!

Mais uma vez a Ciência comprova a fé

Há alguns meses saiu na Revista Adventista uma excelente matéria sobre as evidências astronômicas da profecia dos 2300 dias/anos (cf. Daniel 8:14). O texto foi preparado por um irmão de Vila Velha, Espírito Santo, o Dr. Herderson Hermes Leite Velten, e que parece ser um apaixonado pelo tema. Em seu artigo, ele demonstra como as ferramentas de estudos astronômicos pode comprovar em minúcias que a interpretação que os Adventistas dão para a profecia de Daniel 8:14 se cumpriu nos mínimos detalhes.

Quero transcrever uma parte do texto:

"Atualmente, modernos programas de Astronomia e de Calendários para computador nos auxiliam a averiguar a precisão do esquema profético. Quando é dado ao excelente programa de astronomia Redshift 2 para que retroceda exatos 2.300 anos desde as 15h de 23 de outubro de 1.844, a tela do computador exibe, como resultado, o céu de Jerusalém às 15h do dia 29 de outubro de 457 a.C., que foi a hora do sacrifício da tarde do Dia da Expiação naquele ano. Apenas este fato já é muito impressionante! Mas, quando vamos além e clicamos para que o programa avance 486,5 anos - referentes às 69,5 semanas que conduzem até o tempo em que se faria 'cessar o sacrifício e a oferta de manjares' (Dan. 9:27) - o monitor exibe o céu da noite do dia 26 de abril de 31 d.C. Lembrando que o dia bíblico começa e termina ao por-do-sol, chegamos, na verdade, ao dia 26-27 de abril; e o dia 27 de abril foi, de fato, uma sexta-feira, o dia da crucifixão!

Sabemos que esse foi realmente o dia da crucifixão porque 27 de abril de 31 d.C. foi também o dia 15 do primeiro mês judaico, quando, de acordo com os evangelistas, Jesus morreu. O meio da septuagésima semana caiu na noite de 26 de abril porque foi naquela noite que Jesus celebrou Sua última Páscoa com os discípulos, instituiu a Santa Ceia como memorial de Sua morte e tomou sobre Si os pecados da raça humana no horto do Getsêmani. Foi naquela noite que Jesus declarou: 'É chegada a hora' (Jo 17:1). Ele sabia que o tempo profético havia expirado ali.

Temos, pois, a maior parte dos pontos de início, de meio e de fim dos períodos proféticos de Daniel 8 e 9 identificados em termos de dias, meses e anos" (RA, 12/2008, pág. 11).

Que maravilhosa mensagem para fortalecer a nossa fé neste início de um novo ano!
Em qual outra denominação cristã você encontra pessoas tão dedicadas ao estudo da Bíblia e de suas profecias, quanto na Igreja Adventista do Sétimo Dia?!

Em nenhuma outra!

Podem nos chamar de seita, de fanáticos, de sabatistas, de legalistas... do que quiserem (esta é sempre a tática do inimigo - cf. Atos 24:5-15). Mas, assim como aconteceu com os "eruditos" do início do século passado, os nossos acusadores terão que CALAR A BOCA, pois mais uma vez a Ciência comprova que estamos certos em nossa fé!

Louvado seja Deus!

Espero ansioso o momento em que tantas pessoas sinceras que hoje acusam e menosprezam a fé dos Adventistas, irão acordar deste "torpor mortal" em que vivem em sua fé apostatada, e se unirão àqueles que "guardam os mandamentos de Deus e têm a fé em Jesus" (cf. Apoc. 14:12)

"Depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo, que tinha grande autoridade, e a terra se iluminou com a sua glória. Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável, pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria. Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos; porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou" (Apoc. 18:1-5).

http://prgilsonmedeiros.blogspot.com.br/p/blog-page.html

12 comentários:

Anônimo disse...

Professor, tenho uma dúvida:

Jesus entrou no céu em 1844 e está olhando para os nosso pecados?


Como entender isso, sendo que a Bíblia diz que ele entrou no céu no ano 33 d.c., e pagou os pecados na cruz. O que dizer disto?

Luis Carlos.

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro Luis Carlos*

Não foi "no céu" que Jesus entrou em 1844 d.C. Segundo o que creio sobre Lev. 16 e Dan. 8:14, Jesus iniciou nesta data o Seu ministério Sumo-Sacertotal no Santuário Celestial, à semelhança do que ocorria no santuário do deserto, na época de Moisés.

* ou será Félix? Ou será Roberto Gama? Ou será Joel? Ou será Lúcio Matos? Ou tantos outros...

Por que vc usa vários nomes para fazer os comentários? O que está escondendo?

Neide disse...

Professor pode me dizer a idade de Cristo quando ele foi crucificado era 31 anos ou ele nasceu antes do ano 1 d.c tendo sido crucificado com 33 anos como todos ensinam, outra questão a igreja sempre ensinou as datas que marcaram as 2300 tardes e manhãs ou formam avaliadas novamente?

Prof. Gilson Medeiros disse...

Olá, Neide.
Segundo alguns historiadores, existe uma defasagem de cerca de 4 anos no calendário gregoriano, desenvolvido com base na data da fundação de Roma. Se estes historiadores estiverem certos, Jesus teria nascido por volta do ano 4a.C.

Quanto às datas utilizadas no cálculo da profecia dos 2300 anos, até que fosse e encontrada a data de 22/10/1844, outras foram encontradas, por diversas razões. Mas Deus mostrou que 22/10/1844 era, de fato, a data final da profecia.

Um abraço.

Anônimo disse...

Prof. Gilson, a data certa é dia 23 ou 22, afinal?

Jarson

Gilson Medeiros disse...

Caro Jarson, 22/10/1844 é a data que os Adventistas crêem ser o final da profecia dos 2300 anos de Daniel 8:14.

Um abraço.
Gilson.

Jarson disse...

Prof. Gilson, na profecia das 2300 tardes e manhãs, qual é o calendário usado? O calendário judeu tem 360 dias e o nosso tem 365, então qual é o calendário que conta na profecia de Dn. 8:14?

Obg.

Gilson Medeiros disse...

Caro Jarson, é indiferente o calendário que se utiliza.

A única preocupação que se deve ter é usar o MESMO calendário para toda a profecia. Ou seja...

Você não pode utilizar um calendário para encontrar a data inicial da profecia, e outro para a data final. Se usar o mesmo calendário, a escala cronológica de referência se manterá, e o resultado será o mesmo.

Um abraço.
Gilson.

Joel disse...

Para tentar sustentar a data de 1844 como sendo a profecia cumprida referente a Dan.8:14 (2300tardes e manhãs), os defensores desta interpretação não medem esforços para encontrar alguma suposta prova para que possa validá-la. Não precisa ser Teólogo para entender que Lev. 16 não tem nada a ver com Dan. 8:14. Mas precisa sim ser honesto com a Bíblia e com as pessoas. Manipular a Palavra de Deus não é a saída para tentar encobrir erros, mas sim o reconhecer este e consertar. Outra coisa:afirmar que Jesus não entrou no Céu mas sim em outro local como disse o Prof.Gilson, é contrariar Heb.9:24 e muitos outros textos. Abraços. joeli_santos@hotmail.com

Joel disse...

Caro Prof. Gilson, gostaria que o Sr. mostrasse na Bíblia provas a respesito de sua afirmação de que Jeus não entrou no Céu, mas sim que iniciou um Ministério no Santuário. O Santuário não fica no Ceu? e Heb. 9:12, 9:24 e 10:12, principalmente em 1:3, não é realmente o está dito? O Professor está dizendo que "A Destra da Magestade nas Alturas" (Do Pai), não é no Céu onde Ele (Jesus) está assentado? E para finalizar:Onde a Bíblia diz que no Céu há um Santuário com 2 divisões? Fique na Paz. joeli_santos@hotmail.com

Gilson Medeiros disse...

Caro Joel, leia por favor o que está no link abaixo, que responde à sua indagação.

http://prgilsonmedeiros.blogspot.com/2009/04/quando-jesus-entrou-no-santissimo.html

Um abraço.
Gilson.

Gilson Medeiros disse...

Ah, Joel, e quanto a Lev. 16 estar ligado a Dan. 8:14, sugiro que você estude mais sobre a profecia bíblica, e não vá só pela cabeça de filósofos de batina.

Aqui mesmo no blog você vai encontrar muito material interessante para sair desta escuridão teológica que remonta à Idade Média.

Um abraço.
Gilson.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões