quarta-feira, dezembro 19, 2012

Qual futuro você quer para seus filhos?

Nesta época do ano, as escolas começam o período de pré-matrículas para o ano que está se aproximando. Aquelas que possuem um maior “poder de fogo” ($$$) utilizam os meios de comunicação para conquistar novos “clientes”, e assim iniciarem 2016 com uma boa margem de segurança financeira para continuarem no ramo.

Eu quero, então, aproveitar o momento para convidar os pais e responsáveis a analisarem a importância de enviarmos nossos filhos para “nossas” escolas, ou seja, para uma escola com a Filosofia Adventista de Ensino.

Já vi alguns pais tentarem se “justificar” do fato de não colocarem seus filhos em escolas adventistas, muitas vezes utilizando argumentos que mais revelam uma preocupação secular com o “futuro” profissional do filho, do que com seu futuro eterno (Por exemplo: escolhendo a escola pelo "rankinkg" do Enem). Há também aqueles que preferem economizar alguns poucos Reais em uma escola secular, do que investir um pouco mais e manter os filhos sob a proteção de uma educação que visa não somente o agora e o amanha... mas a eternidade.

Como toda instituição humana, dirigida e operacionalizada por seres humanos falíveis, uma escola adventista pode não ser perfeita (e certamente NENHUMA escola secular também o será). Mas a existência de pequenos erros e imperfeições não deve ofuscar a importância que nós, pais e mães responsáveis, devemos dar à orientação que nossas crianças receberão de seus professores. Se existem problemas, procuremos as pessoas com responsabilidade e autoridade para resolvê-los. Forme uma comissão de pais e reivindique melhorias da escola. É um direito, e um dever, seu como pai ou mãe de aluno!

Certo dia eu ouvi uma mãe dizer que, se não colocasse sua criança em uma escola adventista, procuraria uma boa escola “cristã” para ela. Na minha opinião, isso é pior do que colocar o filho em uma escola pública. Se você coloca seu filho para estudar em uma escola de determinada confissão religiosa (batista ou católica, por exemplo), não poderá depois reclamar se um professor ensinar em sala de aula que os mortos em Cristo já estão “na glória”. Também não poderá sentir-se ofendido se seu filho chegar em casa dizendo que o almoço de confraternização de sua turma foi regado a muita coca-cola, e empanados de camarão e presunto; ou se receber na agenda uma "autorização" para seu filho participar dos festejos da padroeira da escola...

Em uma escola não confessional, pelo menos, há uma maior tolerância religiosa, uma vez que a diversidade de credos é grande. Se eu coloco meu filho em uma escola que eu já sei que a orientação é confessional, ou seja, ligada à alguma igreja, então eu já estou "autorizando" que esta escola ensine ao meu filho o que ela achar mais conveniente, conforme suas doutrinas e crenças. É o mesmo que ocorre com um espírita, por exemplo, que matricula seu filho em uma escola adventista. Ela já sabe que não cremos no espiritismo, portanto seu filho não encontrará professores que o orientem do mesmo jeito que tal pai orienta em sua casa.

Percebe o ponto central do problema?

A escola deve ser uma extensão do lar. Se eu escolho para meu filho estudar em um lugar onde EU JÁ SEI que ele será diariamente confrontado com ensinos diferentes dos que eu apresento em nosso lar (evolucionismo x criacionismo; domingo x sábado; espiritismo x sono da morte; etc.), então eu não posso esperar outra consequência senão o enfraquecimento gradual da sua fé.

E é exatamente o que tem ocorrido!

As crianças que não estudam em escolas com princípios adventistas tendem, infelizmente, a abandonarem a fé quando entram na adolescência (Ensino Médio) ou juventude (Faculdade). Faça uma pesquisa na sua igreja, e você confirmará o que estou dizendo... infelizmente.



O que Deus já nos revelou (através do ministério de Ellen White) sobre o assunto?

As obrigações entre professores e alunos são recíprocas. Os professores devem fazer diligente esforço para que sua própria alma seja santificada mediante a graça de Cristo e para que labutem segundo as normas de Cristo pela salvação de seus alunos. Por outro lado, os alunos não devem adotar um procedimento que se torne penoso e difícil para seus professores e que traga sobre eles tentações difíceis de resistir. Os alunos não devem, por um errôneo procedimento, baixar a elevada posição e reputação da escola, dando motivo a que se alastre, entre os crentes e os descrentes, a notícia de que as escolas adventistas do sétimo dia, embora pretendam ser estabelecidas para proporcionar a melhor educação aos que as frequentam, não são superiores às escolas comuns no mundo inteiro. Este não é o caráter nem a reputação que Deus quer que se atribua a nossas escolas; e os que usaram a influência que Deus lhes confiou, para dar tal caráter ou reputação à escola, usaram-na em sentido errôneo. Os que têm desrespeitado os regulamentos e procurado abater a autoridade, quer sejam crentes ou descrentes, acham-se registrados nos livros do Céu como não podendo ser tidos na conta de membros da família real, filhos do celeste Rei” – Fund. Ed. Cristã, pág. 246-247.

Vê-se que há uma grande responsabilidade dos professores em serem o melhor que puderem para seus alunos.

O texto também adverte terrivelmente contra os que saem propagando críticas contra a escola, prejudicando a reputação do estabelecimento. Como eu já disse antes, se houver problemas a serem resolvidos, procuremos os que podem saná-los e exijamos, como cristãos, que o façam!

Por uma concepção falsa da verdadeira natureza e objetivo da educação, muitos têm sido levados a erros sérios e mesmo fatais. Tal engano é cometido quando a ordenação do coração, ou seja, o estabelecimento de princípios, é negligenciado no esforço por conseguir a cultura intelectual, ou quando interesses eternos ficam sem consideração no ávido desejo de regalias temporais” – CPPE, p. 49.

Grave advertência para os que preferem preparar os filhos para serem “doutores”, mas para isso negligenciam uma formação que os conduzirá ao Reino de Deus.

Muitas famílias que, com o intuito de educar seus filhos, se mudam para lugares onde se acham situadas nossas grandes escolas, fariam melhor serviço ao Mestre permanecendo onde estão. Devem animar a igreja de que são membros, a estabelecer uma escola em que as crianças dos arredores recebam uma educação cristã prática, bem equilibrada. Seria muitíssimo melhor para seus filhos, para eles próprios e para a causa de Deus, se eles permanecessem nas igrejas menores, onde seu auxílio é necessário, em vez de irem para as maiores onde, devido a não serem ali necessários há constante tentação a cair em inatividade espiritual” – Cons. Educação, p. 184.

Que belo conselho para os membros das nossas igrejas. Quão bom seria se em cada cidade, no mínimo, tivéssemos uma boa escola onde colocar nossos filhos, sem a preocupação de que eles estariam sendo influenciados pelas aberrações pedagógicas deste mundo. Se em sua cidade não há uma escola do Sistema oficial da Igreja, procure uma instituição dirigida por algum irmão ou irmã dedicados, e que também adotem os mesmos princípios de nossa fé. Se também não houver um estabelecimento assim, ainda, por que não iniciar um para 2016/2017? Pode ser até em forma de Cooperativa Educacional. Já pensou nisso?!

Às vezes fico desejando que Deus fale aos pais com voz audível como falou à esposa de Manoá, dizendo-lhe o que deviam fazer para educar os filhos. Sofremos terríveis perdas em cada ramo da obra, devido à negligência da educação no lar. Foi isso que nos impressionou a mente com a necessidade de escolas em que a influência religiosa predominasse” – Orientação da Criança, p. 303.

Outro grande conselho do Espírito Santo de Deus para nós.

Pais, tutores, colocai vossos filhos em escolas, onde a influência seja idêntica à de uma escola do lar, devidamente dirigida; escolas em que os professores os façam avançar de um ponto para outro, e em que a atmosfera espiritual é um cheiro de vida para vida. ... Se nossos jovens que recebem sábia instrução e preparo de pais piedosos continuarão ou não a ser santificados pela verdade, depende em grande parte da influência que, depois de partirem do lar, encontram entre aqueles de quem buscam instrução cristã” - Idem.

E que lugar melhor para isso do que uma Escola Adventista?!

Planejando acerca da educação dos filhos, fora do lar, os pais devem compenetrar-se de que não mais é coisa livre de perigo enviá-los às escolas públicas, e cumpre que se esforcem para os enviar às escolas onde obtenham educação baseada em fundamentos bíblicos. Sobre todo o pai cristão repousa o dever solene de dar aos filhos uma educação que os leve a adquirir o conhecimento do Senhor, e a se tornarem participantes da natureza divina mediante a obediência à vontade e ao caminho do Senhor” – CPPE, p. 205.

Mais uma vez só vejo encaixar-se aqui uma escola com princípios Adventistas de ensino.

Os pais devem tratar a Palavra de Deus com respeito, obedecendo-lhe os ensinos. Aos pais destes dias, bem como aos israelitas, Deus declara: "E estas palavras... estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas." Deut. 6:6-9. Não obstante esta clara instrução, alguns do povo de Deus permitem que os filhos frequentem escolas públicas, onde se misturam com os que têm moral corrupta. Nessas escolas seus filhos nem podem estudar a Bíblia, nem aprender seus princípios. Pais cristãos, deveis tomar providências para que vossos filhos sejam educados nos princípios bíblicos” – Orientação da Criança, p. 304-5.

Portanto, não percamos mais tempo, e vamos matricular nossos filhos da Escola da Igreja, se ainda não o fizemos.

Onde quer que haja alguns observadores do sábado, os pais se devem unir para providenciar um lugar para uma escola em que suas crianças e jovens possam ser instruídos. Empreguem um professor cristão que, como consagrado missionário, eduque as crianças de tal maneira que as induza a se tornarem missionárias. Empreguem-se professores capazes de ministrar uma educação completa em todos os ramos comuns da vida, tornando a Bíblia o fundamento e a vida de todo o estudo.
Nas localidades em que são poucos os crentes, unam-se duas ou três igrejas para construir um modesto edifício para a escola.
Caso os pais reconheçam a importância desses pequenos centros de educação, cooperando para executar a obra que o Senhor deseja se faça nesse tempo, os planos do inimigo quanto aos nossos filhos serão frustrados” – Idem, p. 307.

A hora é agora!

Nossas escolas são o instrumento especial do Senhor para habilitar as crianças e os jovens para a obra missionária. Os pais devem compreender a sua responsabilidade e ajudar os filhos a apreciar os grandes privilégios e bênçãos que Deus proveu para eles nas vantagens da educação” – CPPE, p. 149.


Escola Adventista, este é o lugar para seu filho estudar!


Coloque-o em uma escola onde ele formará suas amizades eternas

3 comentários:

Jardel Moura disse...

Bom é certo que as instituições adventistas é uma extensão da vontade de Deus para a pregação de sua palavra. E isso é inquestionável.

Porém não posso aceitar o fato que se não colocar os seus filhos em uma escola adventista peca gravemente. Corre os seus sérios riscos é claro, porém vejamos a visão de cada situação.

Se torna pecado aquelas famílias que tem a real condição de pagar estudos para os seus filhos nas escolas e faculdades adventistas. Ou seja Deus da abundância na prosperidade para os seus filhos possam estudar nestas instituições porem não aproveita estas oportunidades, tentando economizar alguns trocados, colocando seus filhos em escolas e universidades diversas.

Outra coisa é uma familia que ja passa por apertos financeiros, que se tirar os 545 reais do salário mínimo pra poder pagar a escola digamos, de 2 filhos, não haverá o que comer durante o resto do mês, ou mesmo não terá nem o que pagar as contas. Então penso, que se torna adaptável, a este caso viver conforme o que se tem em seu rendimento financeiro. Ou seja, não tem condições de uma família pobre colocar os seus filhos, em uma escola que se tem uma mensalidade um pouco salgada de mais para poder pagar. Cada caso é um caso.

Podem até dizer que exista bolsistas nas escolas. Podem até me dizer que muitos fazem colportagem para poder pagar os estudos na universidade adventista. Mas essencialmente se tratando de números, existem mais filhos de adventista bem sucedidos ou de não--adventistas que tem um poder aquisitivo maior do que realmente de famílias pobres que tem os seus filhos em condições de bolsistas ou seja la qual for o sistema que os mantêm.

Eu percebo por exemplo, que alguns jovens estão inculcados na cabeça que tem que por que tem que fazer uma faculdade na universidade adventista. E passam por apertos desnecessários, como passando fome, pra poder ajudar a pagar uma universidade, sendo que do lado da sua casa tem uma universidade federal. Além de contar das bolsas distribuídas pelo governo federal através do PROUNI e outros programas. Além de contar com escolas filantrópicas de congregações, catolicas, batistas, enfim, que apresentam um nível educacional sem igual.

O que quero dizer é que os que podem pagar coloquem de imediato os seus filhos nas devidas instituições adventistas. Os que de fato, não podem, vivam de acordo com o que tem. Vivam de acordo com as possibilidades e as oportunidades que Deus dá. E agarre nas mãos de Deus para que os livre de toda a tentação imposta por organizações não adventistas. Assim como Daniel foi letrado nas escolas da Babilônia, sendo Douto nas suas ciências, voce tambem pode fazer a diferença aonde voce esteja. Ensina ao teu filho, com diligencia, aos caminhos que deve andar, ofereça os teus filhos ao Senhor Deus, louve toda a sua familia em todos os dias, e com certeza Deus irá estabelecer suas providencias. Viva cada um de acordo com o que pode.

Gilson Medeiros disse...

Caro Jardel, com toda certeza não é pecado deixar de colocar os filhos na Escola Adventista.

Agora também não vejo coerência em pagar uma outra escola particular, às vezes até mais cara que a Adventista.

Afinal, cada pai sabe qual futuro deseja para eles.

Um abraço.
Gilson.

Chacon disse...

Olá Gilson, me permita um comentário. Eu entendo que, sendo na Escola adventista, ou outra qualquer, eu não posso delegar a educação dos meu filhos à eles, isso para mim é um ponto sem volta. Por um outro lado, se eu tenho filhos que me escutam (e é o caso das minhas filhas) que crêm que o que eu falo de Cristo à elas é verdade, o que ensino é verdade, então, entendo que elas serão mais úteis fora da escola Adventista que na Escola Adventista. Exemplo: minha filha maior vai para a Universidade no ano que vem, e ela quer fazer Medicina. Medicina é algo especial em questão de confilitos... vamos chamar, ideológicos. Por quê? Porque ela vai ouvir muito, muito sobre evolução, e eu, não a Escola Adventista, mas eu, pai e crente e Deus Criador, tenho a obrigação de instruir a minha filha, não à discussão, mas a firmarsse na fé Criacionista, ainda que os argumentos Evolucionistas sejam fortes (para mim não são, são fracos), então, eu, como pai, tenho que mostrar à minha filha quais argumentos usamos, contra o evolucionismo, essa farsa, mas sempre demonstrando sem rancor, sem ódio. Na verdade te digo, nem precisaria muito, basta ler os artigos do Michelson Borges que já dá pra destruir qualquer teoria evolucionista sem muito esfoço. Mas sei que minha filha vai ter pela frente gente que com convicção, gente que acredita naquilo, e entendo que eu não poderia delegar essa tarefa a ninguém, nem à Escola Adventista. desculpe, mas não sei o quão preparado está um professor Adventista, poe ser que muitos estejam bem preparados. Temos que ser diferentes " santos" (separados) ainda que dentro de uma sala de aula de uma escola que nos ensine o contrário. Abraço

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões