quarta-feira, maio 27, 2015

Por que tantas pessoas se suicidam?

Há alguns anos, fiquei sabendo que uma jovem mãe, membro de uma igreja adventista no interior da Paraíba, cometeu suicídio. Como esta moça havia dado à luz recentemente (cerca de 4 meses antes), as suspeitas dos médicos foram de que ela tenha sofrido de DEPRESSÃO PÓS-PARTO.

Um outro caso de suicídio que repercutiu grandemente na época em João Pessoa foi o de um conhecido político paraibano, ex-Deputado e então prefeito de uma cidade do interior do Estado. Os amigos diziam que ele era uma pessoa alegre, altruísta, bondosa e que nunca deu sinais de que estava pensando em tirar a própria vida. Em sua "carta de despedida", ele disse que não suportava mais viver, pois tinha feito o bem para tanta gente mas tinha esquecido de si mesmo e da família. Este foi o motivo que ele apresentou para explicar seu ATO EXTREMO.

A Revista Superinteressante republicou uma matéria sobre o alto índice de suicídios no mundo, algo em torno de 1 suicídio a cada 40 segundos (misericórdia!!).

Mas, por que pessoas assim se suicidam? Por que membros da Igreja, que assistem aos cultos a cada semana e são aparentemente felizes e participativos, chegam a cometer um ato tão desesperado? O que nós podemos aprender sobre o suicídio, que nos ajude a detectar quando alguém (talvez até nós mesmos) esteja pensando em tirar a própria vida?

O Suicídio e a Bíblia
Por Angel Manuel Rodriguez

O suicídio é normalmente definido como o ato de tirar a própria vida. As cicatrizes emocionais deixadas na família e amigos são profundas e produzem não apenas sentimentos de solidão, mas particularmente senso de culpa e desnorteamento. No provimento de uma resposta, terei de limitar meus comentários a algumas sucintas observações.

Temos primeiro de distinguir entre suicídio e martírio, que é a disposição de dar a própria vida por convicções fundamentais consideradas inegociáveis, e atos heróicos de auto-sacrifício que resultam na preservação de outras vidas (por exemplo, um soldado lançando-se sobre uma granada para salvar outros). Conquanto o suicídio seja essencialmente uma negação do valor da vida presente e a solução extrema para uma existência tida como insuportável, os demais casos são expressões de respeito e amor à vida.

Vou relacionar os casos ou tentativas de suicídio registrados na Bíblia, extrair algumas conclusões e então fazer comentários gerais.

1. Casos de suicídio na Bíblia: Abimeleque, ferido mortalmente por uma pedra de moinho lançada contra ele por uma mulher, pediu ao seu escudeiro que o matasse para evitar a vergonha (Juízes 9:54). Saul, depois de haver sido gravemente ferido em batalha, tirou a própria vida (I Samuel 31:4). Vendo o que o rei fizera, seu escudeiro “jogou-se também sobre sua espada e morreu com ele” (verso 5, NVI). Essas mortes foram motivadas pelo temor daquilo que o inimigo lhes poderia fazer. Aitofel, um dos conselheiros de Absalão, enforcou-se depois de saber que o rei rejeitara seu conselho (II Samuel 17:23). Zinri tornou-se rei depois de um golpe de Estado, mas ao perceber que o povo não o apoiava, foi “à cidadela do palácio real e incendiou o palácio em torno de si e morreu” (I Reis 16:18, NVI). Judas ficou tão desorientado emocionalmente depois de haver traído Jesus, que acabou se enforcando (Mateus 27:5). Sansão tirou a própria vida e a de muitos proeminentes inimigos ao fazer com que um edifício todo ruísse (Juízes 16:29-30). Depois do terremoto, o carcereiro de Filipos pensou que os prisioneiros haviam fugido e tentou se matar por temor, mas Paulo convenceu-o a não fazê-lo (Atos 16:26-28).

2. Conclusões sobre os incidentes bíblicos: Nos incidentes mencionados acima, notamos muitas coisas. Primeiro, a maioria dos suicídios aconteceu no contexto de guerra, no qual tirar a própria vida foi o resultado de temor ou vergonha.

Segundo, os outros casos são mais pessoais e, além do medo, refletem uma auto-imagem demasiadamente pobre ou baixa autoestima. Todas as mortes tiveram lugar quando o indivíduo estava num estado mental altamente emocional.

Terceiro, o suicídio é mencionado sem que haja qualquer juízo quanto à moralidade da ação. Isso não significa que ele seja moralmente correto; apenas indica que o escritor bíblico está simplesmente descrevendo o que aconteceu.

O impacto moral do suicídio deve ser avaliado segundo a compreensão bíblica da vida humana: Deus criou a vida, e nós não a possuímos para usá-la e descartá-la como bem entendermos. O sexto mandamento também tem alguma coisa a dizer sobre o assunto. Um cristão, portanto, não deveria considerar o suicídio como solução moralmente válida para o infortúnio de viver num mundo onde existe dor física e moral.

3. Comentários e sugestões: Como devemos reagir diante do suicídio de alguém a quem amamos?
- Primeiro, a psicologia e a psiquiatria têm revelado que o suicídio geralmente é o resultado de um profundo transtorno emocional ou desequilíbrio bioquímico associado a um profundo estado de depressão e medo. Não deveríamos julgar as pessoas que optaram pelo suicídio sob tais circunstâncias.

- Segundo, a perfeita justiça de Deus leva em consideração o impacto que nossa mente perturbada tenha eventualmente sobre nós; Ele nos compreende melhor que do que qualquer ser. Devemos colocar o futuro de nossos queridos em Suas mãos de amor.
- Terceiro, com a ajuda de Deus, podemos encarar a culpa de uma maneira construtiva, tendo em mente que muitas vezes aqueles que cometeram suicídio necessitavam de ajuda profissional que nós mesmos fomos incapazes de proporcionar.
- Finalmente, se você alguma vez for tentado a cometer suicídio, saiba que há profissionais disponíveis, medicamentos que podem ajudá-lo a superar a depressão, amigos que o amam e fariam todo o possível para ampará-lo, e um Deus que está disposto a trabalhar por você e, por meio de outros, dar-lhe forças quando caminhar pelo vale da sombra da morte. Nunca perca a esperança!

Para saber mais sobre o Suicídio, suas causas, prevenção e efeitos, veja o excelente artigo de Judy Cushman na revista Diálogo Universitário.

Veja também:
- O cristão e a depressão
- Uma doença chamada "tristeza"


10 comentários:

Francisco disse...

Gilson,

No meu ponto de vista, Seu comentário está de acordo com que Jesus disse: "A NINGUÉM JULGUEIS".

Esperemos o dia em que todos compareceremos diante do tribunal divino, pois a Deus cada um dará conta dos seus atos.

A Paz de Nosso Senhor

Francisco Alberto de Azevedo

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro Francisco, obrigado pelo comentário.
Realmente não temos condições de julgar ninguém, muito menos em questão de salvação.

Um abraço.

Anônimo disse...

Oi Pastor!
Agradeço a Deus por nunca ter tido coragem de cometer suicídio. Já tentei dar fim à vida, várias vezes porque não via saída. Hoje ainda enfrento muitos problemas sérios e tenho muito ódio no meu coração, sofro muito de depressão desde criança, a mágoa que sinto está me destruindo, mas não penso mais em me matar.Só queria que Jesus estendesse seu olhar compassivo para mim.

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro Anônimo, que bom que vc lutou e resistiu!
Não há nada que Jesus já não tenha feito para mostrar que está com o olhar e o coração sobre você.

Com a ajuda dEle, e de profissionais que Ele capacita, você vencerá esta depressão.

Um abraço.

Anônimo disse...

Pastor, já tentei me suicidar uma vez mas Deus me salvou! Eu estava em depressão! Deus me deu a mão, me carregou em seus braços e me recuperou! Louvado seja o nome do Senhor!!!!Os relatos sobre depressão e suicuido são muito bons. Só queria acrescentar que no meu caso não dei ´sinais´externos de que queria me suicidar. as vezes escrevia carta para Deus pedindo que o mesmo me levasse. Como Deus não me atendeu, resolvi cometer suicídio. Graças a Deus Ele me salvou e...me curou!!!!!!!!!!!!

leandro almeida disse...

eu tb ja pensei varias vezes cometer suicidio por causa dos problemas da vida gostava de uma menina na assembleia de deus eu conversei com ela mas ela não quis namorar comigo..outras meninas quiseram namorar comigo mas eu não quis..ja sofri muito com isso...mas hoje não penso mais em suicidio...deus me deu a vida e so ele decide quando sera a hora de eu morrer...jesus me ama muito e ele veio para mim dar vida em abundancia

Anônimo disse...

Foi bom ler isso tudo,as e realmente nao estou bem.. e ninguem consegue entender muito bem a minha dor.
pastor Gilson, meus pais estao se separando e meu pai esta muito mal, eu consegui um emprego que eu queria ha anos mas tenho um namorado egoista que me fez perder eu tinha apenas trabalhado 3 dias ele foi brigar cmg e perdi o emprego. Fiz campanhas e td na igreja pra Deus abencoar meu rrlacionamento e pra ter esse emprefoas minha vida so esta decaindo eu nao sei mais no que acreditar.

A.K.Renovatto disse...

Pr Medeiros, infelizmente no meio cristão não se dá muita atenção a esse tema, suicídio. Há pessoas que pensam que crentes são "blindados" ao suicídio, mas sabemos que na realidade não é assim. Há pessoas que se suicidam por influência maligna (demoníaca), mas muitas vezes o que leva uma pessoa a pensar e/ou cometer suicídio é alguma doença, a principal é a depressão.
Lendo o texto onde falou da jovem mãe adventista que se suicidou, me lembrei de um irmão assíduo aos cultos da igreja que frequento, não perdia culto, temente a Deus, conduta séria, anos de convertido, ninguém poderia imaginar que ele fosse cometer um suicídio. Muitas vezes a igreja orava por ele, sabíamos que ele estava com depressão, mas jamais poderíamos imaginar que ele fosse chegar a esse ponto, mas chegou. Nesse caso, sei que foi por uma doença séria, não sei se ele estava fazendo o tratamento corretamente, mas foi com muito pesar que soube da notícia a uns anos atrás. Hoje é difícil não conhecermos em nossos círculos de amizade ou até mesmo de familiares alguém que não tenha depressão... A depressão tem estado presente em muitas vidas e mesmo com tratamento não é fácil vencer, mas quem tem o problema deve procurar ajuda profissional com psicólogos e psiquiatra, não adianta a pessoa pensar que a depressão vai embora sozinha, é preciso sim procurar tratamento. E aos familiares cabe o papel de dar apoio, ajudar no que for possível.

Pr Medeiros, se possível, queria saber sua opinião (por ser um conhecedor da Palavra) sobre um cristão que se suicida. Gostaria de saber se é possível um cristão se suicidar e não perder a salvação? Me refiro a casos como dessa jovem adventista e desse senhor que mencionei, nos dois casos nota-se que estavam doentes. Deus abençoe. Ore por minha família, por gentileza.

Gilson Medeiros disse...

Prezado. A.K.Renovatto,

O problema "básico" com o suicídio é que ele é um pecado "imperdoável"... Não que Deus não queira perdoar, mas Ele não "pode" fazê-lo, uma vez que a Bíblia ensina que o perdão só vem após a confissão e o arrependimento (cf. Prov. 28:13; Atos 3:19; 1João 1:9). O suicida não tem tempo de se arrepender e confessar seu pecado, pois ele morre no ato.

Essa é a tecnicidade da Teologia com relação ao assunto.

Entretanto, não podemos jamais limitar a atuação do poder de Deus e do Seu Santo Espírito. A Bíblia traz exemplos de pessoas que se salvaram instantes antes de morrer (e até de suicídio, como no caso de Sansão).

Por isso, quem somos nós para dizer se A ou B, que cometeram suicídio, salvaram-se ou não?! Deus o sabe!

um abraço
Gilson.

A.K.Renovatto disse...

Pr Medeiros, muito obrigado por ter dado a opinião do ponto de vista teológico. Deus o abençoe.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões