quinta-feira, setembro 11, 2014

Sua igreja local está na UTI?

Por que os cultos em algumas igrejas Adventistas são tão "frios" e "desanimados"?

Por que alguns sermões não alcançam os corações dos adoradores?

Por que existe tanta frieza na vida espiritual de alguns Adventistas do 7º Dia?

Por que a Igreja Adventista não utiliza o modelo de culto de outras denominações, cujas reuniões estão sempre repletas de pessoas?

Estas são algumas das perguntas que frequentemente são feitas aos líderes Adventistas. Recentemente recebi um e-mail de um assíduo leitor deste blog, o qual me fez diversas indagações sobre nossa maneira de adoração, em especial sobre o estilo dos cultos, que, às vezes, não produzem a sensação de que houve realmente um encontro com Deus.

Eu creio no seguinte: NÃO PRECISAMOS COPIAR NINGUÉM!

Não é porque uma igreja A ou B tem seus cultos com pessoas do lado de fora, que nós devamos fazer "tudo" que eles fazem, para termos os mesmos resultados. Sabemos que há muito Cristianismo adulterado por ai, com mensagens que levam as pessoas a buscarem bens e prazeres materiais, curas, milagres, exorcismos, etc., mas sem uma mensagem centrada na Bíblia, no "Assim diz o Senhor".

Muitas denominações se enchem de pessoas porque apresentam uma mensagem que não "cobra" nenhuma mudança de vida. Ou seja, apenas pregam que Jesus salva, liberta e cura, mas não dizem que este mesmo Jesus espera renovar a vida da pessoa e colocá-la no Caminho da Verdade e da Salvação Eternas (cf. Mat. 7:21-23; Rom. 6:4; 2Cor. 5:17; João 14:15; 15:14; etc.).

Por isso, não penso que a solução seja "copiar" o que existe em outras denominações. Infelizmente, parece que esta tem sido uma tendência em alguns lugares, os quais estão preferindo utilizar-se de músicas, sermões, liturgias, e até "jargões" estranhos à cultura Adventista, com o objetivo de atrair mais adoradores. A intenção pode ser boa, mas devemos cuidar para que os princípios de nossa fé não estejam sendo rebaixados!

Como Reavivar?

É uma realidade, infelizmente, que algumas congregações Adventistas tenham uma "vida" muito "sem sal", ou seja, são comunidades de crentes que não contagiam pela alegria, vibração e entusiasmo que os não-crentes esperam ver quando visitam nossas igrejas pela primeira vez (cf. Atos 2:46-47).

O que podemos fazer para mudar esta situação? Em primeiro lugar, acredito sinceramente que a temática dos sermões pregados nestas congregações "frias" e "sem vida" tem uma imensa parcela de culpa na situação espiritual da Igreja. Até que ponto as necessidades dos adoradores estão sendo supridas com os sermões? Como eles estão encontrando eco no coração das pessoas? Os dramas e temores da vida moderna estão sendo esclarecidos e solucionados através dos sermões, ou as pessoas "entram vazias" e "saem cheias"... de novas angústias? Os jovens estão encontrando respostas para as lutas que enfrentam na sociedade secularizada em que vivem?

Não era assim que Jesus pregava. É só ler os Evangelhos para comprovar isso.
Suas mensagens, Seus momentos de "entrevista individual" com alguma pessoa, Seus milagres, etc., revelam que a preocupação de Deus é por nossa cura espiritual, por nos libertar dos jugos desta vida.

"Vinde a Mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve" (Mat. 11:28-30).

O "fardo" de Jesus é leve... pois é Ele que carrega por nós!
Os sermões que ensinam uma mensagem de exagerado sacrifício, de religião fanática, de cristianismo triste e sem vida, não provêm do Alto... com absoluta certeza!

Se sua igreja precisa ser reavivada, comecem a pregar mensagens de esperança, de salvação em Cristo, de libertação. O Novo Testamento está repleto de temas para este tipo de pregação.

Não adianta querer reavivar uma igreja pregando sobre vestuário, alimentos saudáveis, dinheiro, profecias alarmistas, murmurações contra a liderança, etc. Estes podem até ser temas interessantes, mas não devem ser o único "repertório" de uma congregação que deseja ser VIVA.

O grande pastor e teólogo Adventista, Dr. Hans K. LaRondelle, em seu brilhante livro "O que é Salvação?", diz o seguinte:

"Há muitos no mundo e na Igreja que inconscientemente anseiam pela mensagem: ‘Os teus pecados estão perdoados’. Portanto, em cada sermão, o pregador precisa proclamar a justificação" (p. 78).

Justificação, salvação, exaltação da Cruz, libertação do pecado, Jesus, Jesus, Jesus... ai está o segredo do sermão eficaz! É isso o que o povo precisa ouvir, quando os dramas da vida sufocam o coração: TEUS PECADOS ESTÃO PERDOADOS! VÁ EM PAZ!

Uma igreja que só ouve sobre o tamanho do cabelo ou o vestuário das mulheres, sobre a "irreverência" durante o sábado, sobre os benefícios da alimentação vegetariana, sobre os perigos do uso de bateria durante o culto, etc., não pode ser uma igreja viva.

Como eu disse, estes temas têm o seu devido lugar de importância, mas não é no PRIMEIRO LUGAR.

Caros pregadores, preguem mais sobre o livro de Romanos, sobre os milagres de Jesus, sobre a alegria da salvação em Cristo... e suas igrejas iniciarão um reavivamento que jamais foi visto!

Algumas Dicas Práticas:
Fonte: Manual do Pr. Ronaldi Neves Batista (UEB).

1. Uma Igreja se reaviva num período de 4 a 6 meses.
2. Eu mesmo, como líder, tenho que estar vibrando por Cristo – preciso estar reavivado.
3. Reúna os oficiais e defina responsabilidades. As reuniões deverão ocorrer mensalmente.
4. Dirija cada reunião com entusiasmo e animação.
5. Saia da rotina nos cultos de quarta e domingo.
Domingo – reuniões de cunho evangelístico, com "corinhos", slides, filmes, brindes, um lanche ao final, etc.
Quarta – bons pregadores, experiências missionárias, testemunhos de curas e milagres, muita música alegre e inspiradora.
6. Tenha uma reunião semanal dos professores da Escola Sabatina.
7. Forme novos professores.
8. Tenha um serviço de cânticos animado. Nada daquele serviço monótono, sem vida e feito de improviso, apenas para “cumprir tabela”.
9. Realize cursos de Evangelismo Voluntário.
10. Reúna os instrutores bíblicos para motivá-los e treiná-los.
11. Separe pelo menos 20% do orçamento da Igreja para investir no trabalho missionário.
12. Faça reuniões de oração com os líderes, para orar pelos estudantes e interessados.
13. Tenha uma boa equipe de recepção em TODOS os cultos. Esqueça aqueles recepcionistas antipáticos, frios e que correm para o banco assim que o culto começa.
14. Programa de visitação constante pelos Anciãos e Diáconos.
15. Tenha classes bíblicas permanentes: jovens, adultos, juvenis.
16. A cada trimestre, faça uma reunião administrativa e de avaliação do planejamento.
17. NÃO DESANIME NA PRIMEIRA DIFICULDADE.

Temos um imenso ARSENAL à nossa disposição para fazer com que nossa igreja seja VIVA e ANIMADA. Não há porque copiar ninguém, pois tudo o necessário já faz parte de nossa fé e cultura... só precisamos utilizar.

Quanto antes vocês começarem, maiores serão as alegrias de verem os "ex" retornando, os jovens se animando na missão, as crianças alegres, os adultos empolgados com a fé... e as visitas marcando presença em cada culto e reunião.

"Pois não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê..." (Rom. 1:16).

O EVANGELHO É UM PODER... UMA VERDADEIRA "DINAMITE"!

9 comentários:

Felipe Franco disse...

Mt bom esse artigo. Irei aplicá-lo à minha Igreja, pois é exatamente disso q ela precisa. Abração Gilson!

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro Felipe, obrigado pelo comentário.

Espero que sua Igreja viva a alegria da "explosão" do poder de Deus.

Um abraço.

Anônimo disse...

Nobre irmão Gilson! Admiro muito seu trabalho, e tenho usado seus materiais em minhas mensagens na igreja. Quanto a esse assunto, andamos meio assustados com a "onda" que está por aí, de que nossos cultos são frios e etc.. Ando assustado com o que estão querendo, principalmente em matéria de "louvor". Debates acalorados tem sido vistos por aí, quando o assunto é louvor, música e por aí vai. Estamos na época do "achismo". Nossos cultos sempre serão caracterizados pelo "fervor", não do alto som das músicas, ou de manifestações espiritualistas. Nosso fervor deriva da Palavra de Deus - Hebreus 4:12 Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz...
1 Coríntios 14:1 Segui o amor e procurai, com zelo, os dons espirituais, mas principalmente que profetizeis.
Esse é o nosso fervor!!
Luciano Dambrós - Tubarão

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro Luciano, obrigado por seu comentário.

Realmente, há uma "onda" em alguns lugares por uma liturgia que utilize músicas mais alegres e menos formais. Mas o senhor pode ver que não tratei disso nesta postagem.

Se sua igreja é viva, animada... se as visitas estão sempre fazendo parte dos cultos... se as crianças ficam felizes em participarem... se os faltosos são tratados com amor e misericórdia (sem a hipocrisia costumeira de alguns lugares)... se os idosos sentem-se valorizados e respeitados pelos mais jovens... se ao sair do culto as pessoas têm a sensação de que, realmente, foi Deus quem lhes falou (e não um pregador arrogante e hipócrita)... se os batismos são realizados com frequência... se a apostasia é mínima... se os líderes são apoiados e treinados... se o espírito de crítica e murmuração não faz parte de suas reuniões... se os adolescentes e jovens não perdem o interesse pela religião... então... continue!

Caso contrário, não há porque continuar com o que não está se demonstrando inspirado pelo Espírito de Deus. Afinal, não podemos confundir gosto pessoal com reverência e santidade, ou opinião própria com hermenêutica da Palavra.

Que o Senhor te abençoe e te guarde.
Um abraço.

WAGNER BARROS disse...

Parabéns excelente post...Deus te abençoe.

Chacon disse...

Muito bom Gilson, parabéns!!!Acho que a IASD não tem que copiar ninguém a não ser Cristo, acho que as outras deveriam copiar a doutrina Adventista em vez de criticá-la. A questão de louvor é muito delicada, não se louva a Deus da mesma maneira que se canta, sambra, funk, "sertanojo". O Louvor tem que ser especial. Ond eu frequentava ai no Brasil tinha um rapaz da Escola Sabatina dos Jovens que para a introdução do tema da Semana sempre fazia um teatrinho, algo muito didático, mas sempre tomava bronca da comssão da Igreja, veja, não tinha nada de secular, diabólico, ou coisa que o valha, acho que de tanto tomr bronca voltou para Nova York e hoje vive por lá, quem perdeu foi a Igreja, para ter uma idéia, este rapaz tinha estuda na Andrews creio e teve aula até com Samuelle Bachiochi, então...Temos que saber distinguir, não copiar, o espírito de Profecia está cheio de conselhos. Na Igreja que frequento hoje o pastor um jovem que nào deve ter nem 40 anos, é de uma eloqüência, de um entusiasmo que amo ouvir seus sermões. Tudo depende de quem sobe ao pulpito, já ví pastores começarem seus sermões dizendo, eu sou isso, sou mebro daquilo, já escrevi não sei que... quase me levantei e disse que ele não precisava mais de Cristo, ele mesmo era suficiente para si mesmo, percebe? Por isso temos que ler, por isso temos que ter comunhão com Cristo, por isso temos que AMAR A CRISTO ACIMA DE TUDO!!!! Abraço

Maria Gonçalves disse...

Sr. Gilson, o problema está na burocracia. Cargos para tudo e para nada.Quereis adorar a Deus numa casa, sentados em bancos corridos, levantando-se, ajoelhando-se, sentando-se, à ordem de quem está no púlpito. Pelo menos foi assim, na segunda vez(e última) que fui a uma igreja adventista.Da primeira, já nem me recordo, foi há cerca de quinze anos.
A adoração a Deus faz-se no contacto com os sem-abrigo, com a miséria mais profunda, indo aos antros onde é possível resgatar um pecador.Em grupo nada é impossível.É pena que achem que Jesus queira ser adorado como um ídolo dos povos pagãos que lutavam pela conquista da terra de Canaã.Já sei que não vai postar mas é isto que tenho para lhe dizer. Eu sozinha nada consigo mas um grupo coeso com valores morais altruistas faria da igreja adventista o Éden.Se no Brasil há tantos membros porque não começar com uma igreja, e depois outra e mais outra, seria um rastilho de Amor.Seja feliz, sr. Gilson.

Messias dos Santos disse...

Queridos a adoração é um estado de espírito, não é o sermão, o número de membros, a quantidade de louvores que me faz adorar mas, uma comunhão diária interrupta com a fonte ⛲ que é Jesus, devemos ensinar ao povo de Deus como adorá-lo em espírito e verdade, lembre-se o que Jesus falou para a samarita, "Mulher, creia no que eu digo: Chegará o tempo(ele já chegou) em que ninguém vai adorar a Deus nem neste monte nem em Jerusalém... Mas virá o tempo, e, de fato, já chegou, em que os verdadeiros adoradores vão adorar O Pai em espírito e em verdade. Pois são esses que O Pai quer O adorem. Deus é Espírito, e por isso os que O adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade. O Espírito Santo �� é enviado para libertar e guiar você para toda a verdade. Você é livre para tomar suas próprias decisões. Mas, se vc quer ser bem sucedido na vida, O Espírito Santo �� precisa guiar você. O Espírito Santo �� quer começar a guiar você hoje e realizar grandes coisas por você agora e para sempre. Amém e amém!

Anônimo disse...

Parabéns Gilson por tanta informação importante. Vou fazer todo esforço possível para aplicar na igreja que eu frequento. Que Deus continue te iluminando sempre!

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões