quarta-feira, maio 07, 2014

Líderes abandonados!

Será que existe o "crente zumbi"?
Segundo o folclore holywoodyano, o zumbi é uma espécie de "morto-vivo", ou seja, é uma pessoa que morreu mas ainda permanece interferindo no mundo dos vivos, de forma material.

É claro que, biblicamente, isso não existe, pois os mortos não têm mais qualquer contato com os vivos. Mas esta metáfora parece se encaixar perfeitamente com uma espécie de cristão que nem está "morto" nem "vivo". Como assim?!

Hoje eu quero refletir com vocês sobre a maneira como a Igreja, como instituição humana, costuma tratar alguns de seus membros (suas "ovelhas"). Em todas as congregações é possível encontrar pessoas que já foram vivas e atuantes na igreja, mas que hoje não passam de meros espectadores cultuais ("papa-sermões" como alguns costumam dizer aqui no Nordeste). Em alguns casos, estas pessoas já foram até líderes na Obra, mas que em sua trajetória de vida cristã levaram uma rasteira do inimigo, e não receberam muito apoio para se levantarem. Resultado: viraram "crentes zumbis", pois seu amor pela mensagem de salvação as impede de se voltarem totalmente para o mundão, enquanto que a frieza e rigidez das "normas" e "regulamentos" barram o resgate do vigor espiritual de outrora.

Quero dividir com vocês o exemplo de um ex-pastor, contemporâneo de teologia há uns 10 anos, lá no IAENE. Não citarei nomes, por respeito aos envolvidos. Ficticiamente vamos chamá-lo de PR.

No final da sua adolescência ele conheceu a mensagem Adventista, batizou-se e tornou-se um destacado membro em sua congregação. Foi amor à primeira vista! Ele costumava dizer que a única função que nunca desempenhou foi a de diaconisa, pois todas as outras ele já havia realizado. Foi ordenado Ancião, e era o braço forte dos pastores distritais em sua igreja local, com grande influência também em outras igrejas do distrito e região.

Pouco depois de casado, PR resolveu estudar teologia, e foi para o IAENE com sua esposa e filha pequena. Foram 4 anos de muita luta, sofrimento, lágrimas... e até sangue, para ter seu curso concluído. Seu desejo era servir à Obra do Senhor para o resto de sua vida.

Foi chamado para o ministério, e começou a desempenhá-lo em um promissor distrito em uma cidade de dominação católica no interior do Nordeste. Logo de início os irmãos aprenderam a amá-lo (o que não é difícil para quem o conhece), respeitá-lo e seguir sua liderança. Ele fez daquele distrito morno e sem vida, um dos mais ativos e frutíferos de todo o seu Campo. Suas metas evangelísticas eram audaciosas, e ele conseguia batê-las ano após ano.

Mas o inimigo já havia determinado que a vida de PR seria abalada, e era sua missão destruir aquele bonito ministério. E assim o diabo conseguiu...

PR cometeu um dos 3 pecados imperdoáveis para um pastor Adventista. Infelizmente, desde o seminário os professores já costumavam alertar que as 3 armas que o diabo utiliza para derrubar um pastor são: mulheres, dinheiro ou poder. Quantos têm sucumbido diante destas arapucas!

Com apenas 2 anos e alguns meses de ministério pastoral, o jovem PR foi desligado da Obra Adventista. Envergonhado, ele mudou-se com sua esposa e filhos para a capital do Estado onde residiam, para tentarem recomeçar a vida destroçada. Mas outros golpes ainda viriam... Ele e a esposa foram excluídos da Igreja (ela inocentemente, pois pediu para ser desligada junto com seu marido, por entender que estavam sendo exageradamente duros com ele, haja vista que o erro que ele cometeu não merecia tanta intolerância). A filha mais velha adoeceu, e agora sem a cobertura do plano de saúde, tiveram que mendigar nos gabinetes de assessores políticos para que a menina fizesse um custoso exame, pois havia suspeita de grave doença. O que acabou por confirmar-se.

Sozinhos, esquecidos pelos ex-colegas de ministério, pelos "pastores" com quem já haviam trabalhado por tantos anos, longe dos familiares, sem poderem trabalhar ativamente na Igreja... o casamento também foi se desgastando.

Encurtando a estória, que é muito longa e triste, PR vive hoje como ex-Adventista. Não prega, não dirige lição na Escola Sabatina, foi impedido até mesmo de dirigir seminários de estudos na igreja que estava frequentando. Todo o seu potencial foi colocado de lado. O inimigo, certamente, dá gargalhadas quando olha para este jovem ex-pastor.

Constrangido com a situação, ele visita igrejas diferentes a cada sábado, na esperança de que não o conheçam, não se lembrem dele como "pastor PR". Como eu sou um dos poucos que conhece sua história (até mesmo porque quase ninguém se interessou em ouvi-lo, chorar com ele, emprestar-lhe o ombro...), sei que ele sofre muito, pois ainda é apaixonado pela mensagem que um dia abraçou, e a qual dedicou os melhores anos de sua juventude. Trabalhava até pouco em uma profissão que não lhe trazia muito prazer, que servia apenas para pagar as contas do mês, pois o que ele queria mesmo era estar pregando, dando aconselhamento, dirigindo conferências, classes bíblicas, encontros de casais, de jovens, plantando novas igrejas, etc. Que talento desperdiçado!

Creio que faltou discernimento e tolerância aos que "julgaram" o caso do PR, pois a Bíblia dá claras evidências de que a maneira como Jesus tratava casos semelhantes era muito diferente. Lembram de Manassés? De Madalena? De Pedro? De Marcos? Infelizmente não apareceu nenhum "Barnabé" na vida do PR quando ele mais precisou. Apenas os "doutores da lei" que, como Paulo, não tiveram disposição de lher dar uma segunda chance (relembre aqui).

Como Igreja, os Adventistas têm uma linda e poderosa mensagem de justificação pela fé, de perdão, de restauração, de transformação de vida. Mas, muitas vezes, tem-se esquecido de praticar esta libertadora Verdade.

Setenta vezes sete... cremos mesmo nisso?! Ou achamos que um erro repetido não merece perdão?!
"Eu também não te condeno"... se Ele proferiu tais palavras, por que nós, miseráveis pecadores, insistimos em condenarmo-nos mutuamente?!
O Deus da segunda chance... será que esta frase só ganha significado quando utilizada em algum arranjo musical?!
"Senhor, quando foi que Te vimos com frio, fome, nu...?" - nossos olhos estão tão fechados pela "letra da lei" que não conseguimos enxergar Jesus naqueles que mais necessitam dEle.

Há alguns meses, estudamos um trimestre inteiro (por 13 semanas!) sobre a REDENÇÃO EM ROMANOS, mas a maravilhosa mensagem daquele livro parece não passar de teoria na vida de muitos, especialmente líderes e "pastores".

Um "crente zumbi", é assim que eu definiria o meu amigo PR. Já o aconselharam até mesmo a mudar de denominação, e procurar uma que o aceite e lhe dê uma outra oportunidade de servir a Deus como pastor. Mas ele ama a Igreja Remanescente, e não consegue frequentar uma que o aceite, mas que rejeite a fé que ele guarda no coração. Por outro lado, o "sedentarismo espiritual" está minando sua vida religiosa, deixando-o cada vez mais vulnerável ao golpe fatal do inimigo.

Para afundá-lo ainda mais, há pouco tempo ele separou-se da esposa, pois a convivência já estava quase insuportável. Sabe quantos ex-colegas o visitaram ou mandaram um simples e-mail de apoio, desde que começou esta tempestade em sua vida? Sabe quantos secretários ministeriais se preocuparam em ligar para ele para saber como estava sua família, sua vida, suas dores? Sabe quantas vezes o presidente que o dispensou do ministério foi em seu lar para orar com ele, e tentar resgatar esta alma que se estava desgarrando do rebanho?

Espero que PR esteja no Céu, junto com sua ex-esposa, filhos e amigos verdadeiros. Mas fico imaginando qual seria a reação daqueles que o encontrarem lá, mas que não fizeram nada para ajudá-lo a vencer os desafios da jornada...

Reserve um tempo para orar por este jovem ex-pastor, pois o diabo não merece ser vitorioso em mais esta batalha.

"mas onde abundou o pecado, superabundou a graça" (Rom. 5:20)

16 comentários:

james disse...

Uau,fiquei muito triste em ouvir essa historia, pq me sentir no lugar dele, não pq passei por isso e sim pq sonho em ser Pastor.
Eu vejo muito disso nas igrejas, falta de amor ao próximo, e tenho q dizer q eu era uma dessas pessoas q julgavam as outras no inicio do meu ministério.
Graças a Deus eu fui pra colportagem e La aprendi a amar o meu próximo como a mim mesmo. Gostaria de conversar com esse nosso irmão.
Abraço e lembres se- Rom 8:38e39
Não importa se as pessoas vão te julgar, mas cristo sempre estará com vc Nada nós poderá separar do amor de Deus.

Estarei orando por ele, e por todos q passam por isso.

Anônimo disse...

Senhor DEUS

Quem dentre nós, teus filhos, quem não cometeu pecado? Quem entre nós é perfeito?
Tenho a dizer-Lhe, que entre os Teus ungidos há um que se encontra encurvado sob o peso da culpa e condenação dos irmãos. Ergue, peço-Te, a Tua destra sob este pastor, Teu servo, e consolando-o, fortalecei-o na fé, fazendo-o ver que pode, como leigo, pregar àqueles que nuca o ouviram, já que os que o ouviram deram-lhe as costas.
Que neste dia de hoje, já se faça sentir no coração deste homem, a presença suave de Teu espírito, é o que peço, em nome de JESUS, Amém.

Fernando Pereira disse...

infelizmente,existem em nosso meio,pessoas que passam a vida toda a criticar,os irmaos que em algum momento da vida falharam,que em vez de ajudar desprezam e ate maltratam,aqui na minha igreja tambem aconteceu um caso parecido ao que o irmao contou,desta vez envolvendo um lider de jovens.E NOSSO DEVER COMO IGREJA AJUDAR QUEM mais precisa e nao desprezar as pessoas.
Quem somos nós para julgar.
Os meus parabens pelo seu blog,tem me ajudado na minha caminhada rumo ao Ceú.

Anônimo disse...

O triste é que vc nem precisa cometer um pecado para esse tipo de coisa acontecer. Digo pecado notório, afinal, todos pecam diariamente. Basta vc ser diferente, basta não ser uma pessoa comum, com idéias iguais as de todo mundo. Ou basta ficar um tempo sem devolver dízimo... vem carta da associação, ameaça... mas não vem ningúem perguntar se vc ficou desempregado ou se tem algum problema financeiro grave.

Deus disse bem a Samuel - o homem vê a aparência. O homem preza pela aparência! Quem dera nos despojássemos disso para conhecer verdadeiramente aqueles a quem chamamos de irmãos, para agir como irmãos!

João Batista E. Aguiar disse...

Eu conheço muito bem a história deste PR.
Ele é meu amigo, apesar de viver distante dele tenho um grande apreço por ele e toda a sua familia.

Realmente,aquele eterno pastor longe de um rebanho é sentir quão duro nossos líderes são quando excluem alguem que deveriam apoiar e ajuda-los a levantar...

Espero um dia me encontrar com esse PR mais uma vez e dizer a ele o quanto ele fez a diferença na vida de muitas pessoas, dizer a ele MUITO OBRIGADO por dar-me pro Senhor.

Queria muito que o PR vitasse-nos, sentimos muita falta dele.
Talvez por vergonha ele não nos visite, entendo, mais isso não é certo, pessoas queridas são sempre bem vindas.

Aos líderes que não aprenderam a amar como Jesus amou... Um dia eles receberão o que merecem.

Oro constantemente pelo PR e sua familia.

Espero que as bençãos de Deus caiam sem medidas sobre a vida do PR e em sua familia.

Eles moram em meu coração.

Queria muito que ele pudesse ler este recado.

Gilson, bem que você poderia dar este recado a ele.

Gilson Medeiros disse...

Joãozinho, pode deixar que eu me certificarei de que ele o leia.

Aproveito para dizer que você também é especial para mim e minha família.

Um abraço.

Eduardo disse...

Sou adventista apenas a 5 anos e também sinto o chamado de Deus para essa Obra e é nesses momentos que essa vontade se fortifica Graças a nosso Deus é claro. Até hoje ja precisei muito do perdão de nosso Deus e sei que precisamos assim o fazer também... Precisamos Muitoooo rever nossos conceitos e avaliar nosso verdadeiro papel aqui nessa terra, enquanto templos e grandes obras com exageros a parte, são gastos em demasia: recursos,tempo e esforços em prol de chamar a atenção das pessoas por meio de belas instalações e não por meio de um testemunho fiel e verdadeiro a mensagem, com amor a nosso próximo e verdadeiro compromisso.
Que Deus nos ajude a mudar me atitude transformando esse mundo pela fé, e nosso irmão que muito necessita.

Abraços Eduardo.

Walter disse...

Caro Gilson, parabéns pela coragem em dissertar sobre um tema tão espinhoso, ainda mais com um exemplo tão forte. O que me surpreendeu é que o irmão PR não desistiu. Espero que ele continue assim. Outros que são desligados da obra e ou excluídos da igreja não tem a mesma constância de propósito, isso porque, o normal é que as pessoas excluídas se afastem.
Num tempo em que vemos a injustiça e truculência no tratamento com os irmãos/pastores que caem em tentação, q Deus nos faça retornar - como liderança e membros - aos princípios fundamentais dos ensinamentos de Cristo, mormente o amor ao próximo.

Mais uma vez, parabéns pelo excelente texto! Deus continue te conduzindo.

João Alfredo disse...

Temos que aprender, temos que aprender! Todos os religiosos (sejam ou não adventistas do sétimo dia) devem deixar de ser "denominacionalistas" e tornarem-se cristãos de verdade. Recomendo a leitura das seguintes obras: "Feridos em nome de Deus" (Mundo Cristão), "Perfil de três reis" (Vida) e "A neurose da religião" (Hagnos). Pr. Gilson Medeiros, tenho um projeto pessoal para formar um grupo de discussão na minha igreja (Central de Caruaru-PE). Nada de Daniel e Apocalipse. Vamos começar estudando a pessoa de Jesus. Em seguida, discipulado, igreja, religião e história da IASD (mais ou menos nessa ordem). Creio ser uma estratégia interessante para "humanizarmos" nossas comunidades. Gostaria de manter um diálogo com o sr. Meu e-mail: joaoalfredofilho@gmail.com. Abraço.

Kleber Monazio disse...

OI irmao Gilson, ainda bem q vc nao esta ligado a ninguem para poder escrever esses assuntos! Fiquei triste qd li essa historia, muitos na igreja acham q Jesus veio morrer por leis e normas, mas Ele veio mostras q as pessoas sao mais importantes, e que sem o genuino amor nao somos cristaos! Q Deus abencoe esse irmao! Sao meus sinceros desejos!

Paula Pastor disse...

Paula disse: Fiquei muito penalisada com a historia do PR, sera que estas pessoas que o julgaram nao tem medo do julgamento divinos? Como cristao como deve estar a consciencia de cada um deles?Estarei orando para que Deus de o dicernimento divino a cada um. PR, estarei orando por voce e nao desista Pois Cristo logo voltara e colocara fim no sofrimento de Seus filhos.

Gilson Medeiros disse...

Parabéns pela ideia, João Alfredo.

Se eu puder ajudar, conte comigo.

Falcão disse...

Essa história ficou em minha mente... Desde que a li até hoje (04/09/2010). Eu li no dia da postagem, se não me engano.

Atualmente sou líder na igreja e busco ao máximo tratar a todos com amor e paciência. Tento não fazer pré-julgamentos. Essa história me fez meditar mais ainda na forma que tenho tratado as pessoas. Devo buscar só dizer "O certo é assim", "O certo é assado", "O certo é frito" e não me preocupar com o errante?

O nosso hinário, no hino 99, conta que o Salvador se preocupa com aquela 01 que sai do aprisco com amor e ternura. Aprendemos do nosso Senhor ou do legalismo farisaico que permeia alguns lugares? Nossa lição entrará mais ainda nesse tipo de assunto e espero do fundo do coração que meus irmãos estudem. Não quero criticar nem mesmo os que tomaram uma atitude ruim para com o pastor do post... Todos erramos e eu não sou maior que ninguém para dizer quem é bandido e quem é justo...

Como homem vejo uma situação triste até mesmo por aspirar o Ministério.

Oro para que esse rapaz jamais se afaste de Cristo e possa se sentir perdoado.

Cruz disse...

Deus te abençoe pastor...chorai com os q choram...a iniquidade tem se multiplicado, e obviamente o amor tem se esfriado...continuemos, e não desfaleçamos como os demais...A pz do SENHOR...

Gilson Medeiros disse...

Olá, Cruz.

Obrigado pelo comentário.

Um abraço
Gilson.

Márcio disse...

Sera que ele se arrependeu, e deixou isto bem claro aos pastores com quem teve contato? Se ele confessou foi perdoado liberalmente para que pudesse recomeçar na congregação ou seu retorno não foi reconsiderado, por aqueles que devem o ter afastado. Se o negligenciaram, estão ciente da culpa de sangue, por se constituirem em pedra de tropeço por causa do abandono de uma "ovelha desgarada" que não se dignaram resgatar. Por fim se alguém sabe que seu irmão padece em necessidade e não faz nada, não é ele pior que um "mundano",neste caso queiram ir atras da uma entre cem ovelhas em imitação ao senhor Jesus Cristo, tal qual Pastor excelente e se façam os anjos regozijarem-se pois o filho pródigo foi recebe pelo Pai, e como irmãos, será que resmungaremos ao Pai PORQUE ELE PERDOU? Não está escrito, se temos uma pendencia com um nosso irmão devemos resolve-la antes de prestar serviço sagrado? Quem falhou com esse desgarrado? Não importa temos de agir em harmonia com nossas orações, procurar não deixar coisas que podemos resolver nas mãos de Deus, afinal a Lei Aurea diz pra amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, quanto mais quem é aparentado conosco na fé,quem esta como cabeça na congregação abaixo de Cristo deve se importa com os que foram afastados, se arrependem e querem voltar, MAS COMO VOLTARAM SE NÃO HÁ QUE OS RECEBAM? COMO VOLTARAM AO AMOR QUE TINHAM NO PRINCIPIO, SE HÁ QUEM JULGUE (cuidado,lembre-se em Mateus capitulo 7). P.S. Caro PR humilhe-se perante nosso Senhor PARA QUE NO TEMPO DEVIDO, venha haver exaltação, lembre-se que na adoração verdadeira servimos a DEUS, e ao seu CRISTO, NÃO A HOMENS, MAS colaborando e servindo ombro a ombro com os que teem essa mesma mentalidade.

P.S. 2 O QUE TUA MÃO DIREITA FIZER A ESQUERDA NÃO PRECISA SABER NÃO, caro Gilson digo isso por que não estou debatendo , também não é minha intenção acusar julgar ou coisa qualquer que pareça isso , isto é, não estou envolvido no caso, logo não posso tomar partido de A, B ou C, apenas quero que os envolvidos tenham discernimento para procurem endireitar as coisas (2 timoteo 3:16,17), portanto pela 3ªvez vou tentar postar.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões