terça-feira, setembro 06, 2016

Os espinhos da liderança

Liderar é um dom, uma arte, um privilégio... especialmente no âmbito do Cristianismo.

Entretanto, tenho percebido uma atitude bastante comum para com aqueles que ocupam posições de liderança em algum grupo ou equipe, seja na Igreja, na escola, no trabalho, na família.

Tal situação me faz lembrar algumas citações bíblicas conhecidas:

"Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam" (1Tess. 5:12).

"Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas" (Rom. 13:1).

"Lembra-lhes que se sujeitem aos que governam, às autoridades; sejam obedientes, estejam prontos para toda boa obra" (Tito 3:1).

"Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano, quer às autoridades..." (1Ped. 2:13-14).

 
Curiosamente, os autores do Novo Testamento parecem querer orientar a Igreja nascente sobre a maneira como deveriam se comportar diante das autoridades, tanto eclesiásticas quanto seculares. Ao que observamos, tais autores se preocuparam em transmitir aos discípulos a certeza de que os líderes ocupam posições de especial importância social, e por isso devem ser respeitados e ouvidos. Existem até advertências bastante sérias para os que rebelavam-se contra suas lideranças (cf. 2Ped. 2:10; Judas 8).

Mas meu objetivo aqui não é dizer que devemos ser "cegos" aos ditames de líderes autoritários, crueis ou despóticos. Não! A Bíblia não ensina isso.

O que me chamou a atenção, conforme mencionei no início da postagem, foi o fato de que somos altamente rígidos quando é para cobrar RESPONSABILIDADE de nossos líderes, mas extremamente relapsos na hora de reconhecermos sua AUTORIDADE.

Vejamos, por exemplo, o caso dos pastores (remunerados) e dos anciãos (que são os pastores voluntários da IASD).

A Igreja (especialmente a congregação local) é altamente dura para cobrar a responsabilidade destes líderes: 

- têm que ser modelo do rebanho; 
- pregar bem; 
- estarem sempre prontos para uma palavra de conselho, uma meditação, um sermão; 
- devem ser bons maridos, pais, filhos; 
-se um ancião, por exemplos, comete alguma falha na administração da Igreja, logo é criticado e chamado a atenção por tal erro. Inclusive, lembro de certa vez que ouvi uma pessoa dizer: "juntando os 4 anciãos dessa igreja, não dá 1"! 
Esses líderes devem ser o melhor que puderem, pois, afinal, não são os "pastores" da Igreja?!

Entretanto, estes mesmos "cobradores" não têm similar empenho na hora de reconhecer a autoridade dos seus líderes.
- Se ouvem um sermão duro, reclamam.
- Se o ancião orientar algo que esteja contrário aos interesses individuais de alguns (isso ocorre muito na música, por exemplo), é rejeitado e ignorado.
- Se o pastor incentivar a igreja ao retorno para os princípios bíblicos (alimentação, vestuário, maquiagem, joias, música, etc.), é radical, antiquado, ditador.

 

Ora!
Quer dizer que o líder só é "inspirado por Deus" na hora de cobrarmos suas responsabilidades, mas é um "humano qualquer" na hora de escutarmos (e acatarmos) suas orientações??!!

Para mim, o nome disso é HIPOCRISIA.

Como eu disse, tenho observado esta atitude também em outras situações: na família, no trabalho e na escola, por exemplo.
Na hora de cobrarmos uma atitude do nosso chefe imediato, somos enfáticos e duros, afinal, ele não é o "chefe"?!
Mas se esse mesmo "chefe" fizer ou disser algo que não nos agrade, o criticamos e ignoramos.
HIPOCRISIA!!!

Na hora de reclamarmos porque o bebedouro da escola não está gelando a água, exigimos uma atitude do diretor... afinal, ele é o "diretor"... não é?!
Mas se este mesmo diretor determinar que não sejam utilizados celulares nas salas de aula, visando o bom andamento dos estudos, já o ignoramos, criticamos, murmuramos... e burlamos sua determinação, usando o celular escondido.
HIPOCRISIA!!!



Se o marido (ou pai) esquece de consertar aquela torneira que está pingando, ou fica desempregado e não pode mais bancar o lanche no shopping, é criticado e cobrado... afinal, ele não é o provedor do lar?!
Mas se este mesmo marido/pai determina uma situação à família, por considerar ser o melhor caminho para todos, então ele é criticado, ignorado e, às vezes, até menosprezado publicamente.
HIPOCRISIA!!!

Espero que ninguém esteja pensando que defendo uma submissão cega aos líderes. 


Se Deus nos deu a capacidade de pensar, foi para utilizarmos tal dom (apesar de muitos morrerem com o cérebro quase "virgem"...rsrsrs). 

Só senti o desejo de reescrever sobre esta atitude HIPÓCRITA (repito!) de nossa parte, quando exigimos o cumprimento da RESPONSABILIDADE de alguém, enquanto, paralelamente, nos negamos a reconhecer sua AUTORIDADE.

Se não estou disposto a reconhecer a autoridade, não tenho o direito [moral] de exigir que tal pessoa cumpra suas responsabilidades para comigo.

É o que penso!!!!


veja também:
- O papel do pastor na Igreja Adventista
- Um câncer chamado "crítica"
- O que Deus pensa da rebelião?
- Valorizar nossos mestres


Um comentário:

A.K.Renovatto disse...

Bom texto! Me absterei de tecer um comentário longo dessa vez. Deus o abençoe, pr a continuar pregando o evangelho de Cristo.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões