terça-feira, março 14, 2017

E se eu voltasse... como seria recebido?

A Bíblia é recheada de histórias que demonstram a maneira como Deus lida com o pecado e com o pecador. É muito presente a certeza de que DEUS ABOMINA O PECADO, assim como é evidente que ELE AMA O PECADOR.

Já escrevi algumas postagens sobre esta forma que o Senhor utiliza para Se relacionar conosco... Esta "ponte" que nos liga de volta a Ele recebe o nome de "graça" ou "justificação pela fé". Considero este um dos temas mais emocionantes e surpreendentes de todas as Escrituras, pois somos erroneamente ensinados a temer a Deus como se Ele fosse simplesmente um homem severo, de barba branca, sentado em um trono majestoso, e com um cajado na mão para nos golpear "implacavelmente" quando cometemos algo que não O agrade. Muitos, inclusive nas igrejas, crescem com esta imagem distorcida do caráter de Deus... 

A distorção é tamanha, que até inventaram a blasfêmia do inferno de fogo eterno para que as pessoas temessem desobedecer a Deus, e não serem jogadas no lado de fogo que arderá (?) eternamente.... Aproveite e veja aqui no blog o que também já escrevi sobre o inferno.

Mas, dentre todas estas histórias que apresentam a graça de Deus em/sobre nós, uma das que mais me emociona é a do FILHO PRÓDIGO... Nesta parábola, Jesus demonstra o quanto Deus quer nos tratar como filhos amados e valiosos, até quando nós mesmos achamos que não passamos de lixo.

Hoje eu gostaria de me deter em um personagem da parábola que não é muito mencionado nos sermões ou livros sobre o relato... o IRMÃO MAIS VELHO.

Um personagem emblemático

Depois que decide voltar, criando coragem e retornando à casa paterna, o jovem filho é surpreendido com a atitude de seu idoso pai, que o esperava, e de longe já vem correndo ao seu encontro, abraçando-o com um amor tão profundo e verdadeiro, que o leva a jogar-se ao chão implorando ser perdoado.

"A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho’" - Lucas 15:20,21.

Neste momento o pão interrompe o filho amado, e deixa claro que ele não seria tratado como um empregado, um serviçal... mas como SEU FILHO QUERIDO, que estava morto e revivera... que estava perdido na vida, mas agora estava de volta ao lar.

Jesus continua o relato dizendo que o pai, muito alegre, fez uma festa para comemorar o retorno daquele filho que havia deixado um buraco em seu coração quando resolveu partir e "curtir a vida"... 

Uma festa... é assim que os Céus agem quando um pecador se arrepende... uma festa.... nada de chicotes, críticas, olhares duvidosos, comissões, disciplina... apenas, uma festa.

É aqui que entra o IRMÃO MAIS VELHO... 

Ao ver a festa, ele se chateia e fica revoltado com a atitude "benevolente" que seu pai estava demonstrando para com um filho tão rebelde e ingrato.

"E o seu filho mais velho estava no campo; e, quando veio e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças. E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. Mas ele se indignou e não queria entrar. E, saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir
o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos. Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou a tua fazenda com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado. E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas. Mas era justo alegrarmo-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu, tinha-se perdido e foi achado" - Lucas 15:26-32.


O capítulo encerra deixando uma dúvida no ar: ele entrou ou não na comemoração?

Afinal, quem é representado por este filho mais velho?

Certa vez tive o privilégio de ouvir um sermão sobre Lucas 15, pregado pelo então Evangelista da IASD para a Europa, o Pr. Antolin Diestre. Na ocasião (há uns 15 anos), ele abordou a parábola de uma forma tão profunda, que jamais esqueci de detalhes que nunca havia chamado minha atenção... dentre eles, a figura do irmão mais velho.

Jesus conta em Sua parábola que este filho se chateou e disse que o pai estava sendo injusto por acolher de volta o ingrato esbanjador que havia desperdiçado a herança com farras... Ai vem um questão: como ele sabia disso? O Pr. Diestre deu a resposta: o irmão mais velho frequentara os mesmos locais, mas em oculto, sem ser visto por quem o conheceria. Esta era a única maneira de ele saber de forma tão contundente como seu irmão havia gasto a herança.

Nunca havia pensado nisso! De fato, o rapaz pareceu muito revoltado quando viu a festa preparada para seu irmão... confrontou o pai sobre o quão "bom" e "obediente" ele era, e esperava um tratamento mais "justo" por parte do pai... no mínimo, desejava que o irmão fosse recebido de volta, porém que sofresse o pagamento pelo seu erro, por sua ingratidão, e fosse tratado como ele próprio esperava que seria: um servo na casa do pai.

Já viu algo parecido??? Eu sim...

O irmão mais velho representa aqueles filhos que permanecem na casa do pai (na igreja), mas que vivem de aparência, sob um falso manto de santidade e legalismo... aos olhos do mundo, são justos, santos, e obedientes... mas no seu íntimo vivem os mesmos pecados dos seus irmãos, porém de forma oculta...

A diferença entre os dois irmãos é que um viveu em pecado aberto.. .enquanto o outro fazia suas "estripulias" às ocultas, sem ninguém ver. 

Existem muitas almas sinceras que, assim como o filho pródigo, fizeram escolhas erradas na vida, e sofrem muito por isso... desejariam retornar à casa do Pai, mas não o fazem com receio de como seriam recebidos pelos "irmãos" que um dia sentarem com eles nos bancos, dividiram o pão da Santa-Ceia, alegraram-se com os batismos, participaram do trabalho missionário...

É muito cômodo frequentar o templo a cada semana, ouvir um belo sermão, lindos louvores, e voltar para casa com a consciência tranquila por ter feito sua "obrigação semanal"... este tipo de "irmão" são os primeiros a atirarem as pedras naqueles pródigos que, constrangidos, resolvem iniciar o processo de volta para o rebanho.

Na verdade, a impressão que temos é que a grande maioria dos "irmãos" até se incomodam em ver no culto aqueles que estão desviados da fé... percebe-se isso através dos olhares furtivos, cochichos indelicados, comentários maldosos... Quando um ex-membro decide romper as correntes da vergonha e do constrangimento, e vai ao templo para participar do culto, uma festa deveria ser realizada, à semelhança do que o pai fez na parábola.

Entretanto, os "irmãos mais velhos" estão mais desejosos de condenar, julgar, afastar e manter longe estas almas pecadoras por quem Jesus derramou Seu precioso sangue. E algo que machuca profundamente aqueles que hoje estão fora do redil de Cristo (apenas de continuarem, muitas vezes, mais próximo dEle do que os "sabatistas" contumazes), é que são esquecidos também por aqueles que eles consideravam mais próximos, mais "amigos"... É duro saber que a teoria do Cristianismo é uma, mas a prática é bem diferente por parte de muitos que professam o nome de Cristo.

Como necessitamos ainda aprender com o Mestre!!!

"Eu lhes digo que, da mesma forma, haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam arrepender-se" - Lucas 15:7 

veja também:
- Já pensou em ser um Barnabé?
- Como resgatar ex-Adventistas
 

Um comentário:

A.K.Renovatto disse...

Aprecio bastante também a Parábola do Filho Pródigo e também já ouvi grandes sermões acerca desse assunto que me marcou para sempre. Porém, nunca aprofundei no filho mais velho. Achei interessante a ideia de que talvez ele tenha andado pelos mesmos lugares que o irmão mais moço, mas em oculto (primeira vez que ouço essa possibilidade). É verdade que certos irmãos parecem não se alegrar com o retorno dos afastados, também noto isso onde congrego. Mas o importante é que o Pai se alegra com a volta de um filho, mesmo que muitos julguem, falem mal e não se alegrem com a volta de um afastado para os caminhos do Senhor. Deus o abençoe.

"Ouvindo isso, Jesus lhes disse: "Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim para chamar justos, mas pecadores". Mc 2:17

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões