quarta-feira, julho 11, 2018

O Adventista e a adoção de crianças

Todos nós temos algumas passagens da Bíblia que frequentemente nos fazem refletir sobre nossa própria religiosidade. Eu tenho várias...

E uma que sempre me vem à mente, especialmente quando vejo alguma matéria sobre as crianças que moram em orfanatos aqui no Brasil, é esta:

"A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como sincera e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e, especialmente, não se deixar corromper pelas filosofias mundanas" - Tiago 1:27 (versão King James)

Uma religião SINCERA e IMACULADA... ou PURA e SEM MÁCULA, como escrito em outras versões... não é este o desejo de todo professo cristão?!

E para os líderes, também existe a pesada advertência de Isaías 1:23, por terem abandonado o cuidado dos órfãos e das viúvas dentre o povo.

É curioso observar que em um país com a maioria esmagadora de cristãos (87%, segundo o IBGE), dentre os quais milhares que se declaram "Adventistas do 7º Dia", existam pouco mais de 7.000 crianças cadastradas para adoção (veja aqui). O mais estranho é que existam cerca de 39.000 brasileiros interessados em adotar uma criança (veja aqui).

Ora, vejo que a matemática dessa conta nos diz algo interessante: NÃO deveriam haver crianças em orfanatos no Brasil...

- Primeiro, porque existem casais mais que suficientes com o desejo de adotar.
- Segundo, porque existem cristãos centenas de vezes em maior número no Brasil, do que crianças vivendo em orfanatos.

Por que, então, ainda há tanta criança e adolescente crescendo sem uma família???

- Primeiro, porque nem todos são bebês, meninas, pele clara e olhinho azul.
- Segundo, porque tem muito cristão (e Adventista está no meio) que prefere viver um Cristianismo de "banco de igreja", papando sermões a cada semana... e esquecendo de buscarem o significado BÍBLICO para uma religião verdadeira, pura, sincera e sem mácula DIANTE DE DEUS.

Orar é bom...
Ouvir bons sermões é revigorante...
Louvar é maravilhoso...
Jejuar é necessário...
Adorar é essencial...
Guardar os mandamentos é um dever...

Mas... 

Parece que a maioria de nós está se contentando com uma religião DE BANCO apenas.

Muitos outros temas já tratei aqui sobre este prisma de uma Cristianismo AUTÊNTICO (ou RAIZ, na linguagem da nova geração). Entretanto, li uma matéria hoje nos noticiários que me trouxe novamente à reflexão sobre meu papel diante das crianças que vivem em orfanatos... Era sobre a história de uma jovem que foi adotada apenas alguns meses antes de completar seus 18 anos, e ter que sair do orfanato (clique aqui e leia também).

Resolvi, então, trazer o tema para meditação dos meus amigos do blog... e encontrei um artigo muito bacana da Márcia Ebinger sobre ADOÇÃO entre os Adventistas. O texto é de 2015... o que mudou de lá para cá???

Você já pensou em adotar um filho?

Márcia e Renato Dante se casaram ainda novos e logo em seguida tiveram dois filhos, Paula e João Vítor. Mãe por vocação, Márcia abriu mão de sua profissão e dedicou às crianças 100% do seu tempo. Seus filhos, como ela mesma conta, eram “crianças encantadoras, alegres, saudáveis, amorosas e inteligentes”. Formavam uma família normal, com alegrias e dificuldades, mas acima de tudo muito unida e feliz. O tempo passou, os filhos cresceram, entraram na faculdade e algo inesperado aconteceu.

Enquanto a família Dante seguia sua vida tranquila e feliz, em um hospital de São Paulo nascia a pequena Manu. Portadora de mielomeningocele e de muitas complicações de saúde que comprometiam suas funções físicas e neurológicas, a menina foi abandonada pelos pais e ficou aos cuidados do hospital. Imediatamente o serviço social da instituição fez contato com a família biológica, mas não houve jeito de assumirem a menina. 

Começou, então, uma busca por interessados em adotar a criança, através dos bancos de dados de famílias interessadas em uma adoção. Porém, como se tratava de uma garotinha especial, ninguém demonstrou interesse.

Foi nesse momento que Paula Dante entrou na vida da Manu. A filha de Márcia e Renato estava cursando o último ano de Medicina e, fazendo estágio na pediatria, conheceu aquela pequena menina especial. Paula falava tanto naquela paciente, que seus pais se interessaram em conhecê-la. Foi amor à primeira vista. Pouco tempo depois daquela visita ao hospital, Manu entrava na vida da família Dante como a terceira filha do casal.

Necessidades do outro

Falando sobre o momento da adoção, Márcia conta que ela e o esposo sentiram que tinham condições de suprir todas as necessidades daquela criança. E as necessidades da Manu são muitas: ela respira por traqueostomia, alimenta-se por gastrostomia (portanto, a dieta dela é enteral), urina pela vesicostomia, não tem e não terá controle urinário e fecal. 

Além disso, tem dificuldade de alguns movimentos com o membro superior esquerdo e paralisia nos membros inferiores. Isso tudo sem falar nas necessidades materiais e especialmente emocionais.

Com esta experiência, Márcia e Renato dizem que se tornaram pais, cuidadores, enfermeiros, e guardiões, mas, acima de tudo, se tornaram pessoas melhores.

Olhando para atitudes como as desse casal, lembro de Jesus. Foi por puro amor que Ele deixou Seu trono de glória para fazer-nos novamente Seus filhos. Essa não foi uma decisão simples: doar-Se plenamente para resgatar a outros. A adoção, igualmente, não é simples. 

É uma imensa demonstração de amor por uma pessoa que, embora não tenha nenhum direito familiar, passa a ser plenamente integrada ao seio de uma família. Ela recebe um sobrenome que lhe dá plenos direitos, inclusive os de herança, tal como aqueles que apegados inteiramente aos méritos de Jesus, são feitos filhos e filhas adotivos de Deus: “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual chamamos: Aba, Pai.” – Romanos 8:15.

Hoje, no Brasil, existem mais de 44 mil crianças que vivem em abrigos públicos nas mais adversas situações. Essas milhares de crianças esperam ansiosas pela possibilidade de voltarem aos seus lares ou de serem adotadas. São crianças que esperam pela oportunidade de ter suas vidas reconstruídas.

Como cristã, acredito que esse é um assunto que deveria ser tratado com mais atenção. Existem milhares de filhos e filhas de Deus que esperam por uma melhor oportunidade de vida e que poderiam ser alcançados pelo evangelho caso fossem adotados por famílias cristãs. “Necessitam-se pais e mães cristãos — até que a morte seja tragada pela vitória haverá órfãos que reclamam cuidado, que sofrerão mais que os outros se a terna compaixão e o amorável cuidado dos membros de nossas igrejas não se manifestarem em seu favor.” – Periódico adventista Review and Herald, 27 de junho de 1893.


A adoção é um ministério de primeira grandeza e admiro profundamente os que abrem o coração para uma iniciativa como esta. 

No livro Testemunhos Seletos, página 520, de autoria da escritora Ellen White, está escrito: “Tomai essas crianças e apresentai-as a Deus como oferta fragrante. Pedi sobre elas Suas bênçãos, e então moldai-as e afeiçoai-as segundo a ordem de Cristo. Aceitará nosso povo esse santo legado? Em virtude de nossa piedade superficial e da ambição mundana que nutrimos, serão deixados a sofrer aqueles por quem Cristo morreu, a enveredarem por errados caminhos?”. 

As duas perguntas finais desse texto devem mover nosso coração e focar nossos pensamentos e ações em atitudes que promovam a restauração e a salvação de outros. 

Pense nisso.

Fonte: Site Notícias Adventistas

:::::::::::::::::

Como vemos no excelente artigo da Márcia, o cuidado com os órfãos é um sagrado MINISTÉRIO EVANGELÍSTICO que a Igreja do Senhor deve desenvolver...

Bastariam 7.000 famílias Adventistas brasileiras com condições financeiras e coração aberto para ESVAZIAREM os orfanatos deste país.... pessoas que tivessem disposição para olharem para uma criança ou adolescente vivendo nestes locais, sem se preocupar com idade, cor da pele, histórico familiar... nada! Apenas disposição de amar e ser amado.

7.000 apenas!
Alguma ligação com os 7.000 joelhos que não se dobravam a Baal no tempo de Elias?????
Será???!!! rsrsrs

Quero fazer minha parte... e ser a mão de Deus na vida de alguma criança ou adolescente que cresceu sem saber o quanto é bom ser chamado de "filho" ou "filha"... "meu filho"... "minha filha".


2 comentários:

A.K.Renovatto disse...

Excelente o texto! Li a matéria indicada no texto, da jovem que foi adotada pouco antes de completar 18 anos. Assim como a história de Márcia e Renato, que adotaram Manu, portadora de mielomeningocele! Ambas histórias especiais e emocionantes, cada uma ao seu modo! Mais uma vez, uma ótima reflexão!

Fernando Souza disse...

Pr Gilson,matéria de excelência e o que me chama a atenção é que falamos em reavivamento e reforma,mas esquecemos de amar!
Que o Senhor tenha muita misericórdia do seu povo!neste quesito acho que devemos clamar pela igreja invisível!
Parabéns pela coragem de trazer à tona uma espinha em nossa carne!

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões