sexta-feira, janeiro 28, 2011

Purificação do Santuário

A Lição da Escola Sabatina, há alguns trimestres, abordou o tema da expiação em conexão com os serviços do Santuário do Deserto, em especial do chamado DIA DA EXPIAÇÃO (cf. Lev. 16).

Já percebi que há muita dúvida sobre o tema. Então vou responder aqui as principais questões que normalmente são levantadas.

Santuário Terrestre

Por que o santuário terrestre ficava contaminado?
Porque os pecados eram transferidos para ele durante todo o ano, através dos sacrifícios de sangue feitos exatamente para esta “expiação” dos pecados do povo.
O ritual de "purificação" pode ser visto em detalhes no cap. 16 do livro de Levítico.

Por que era feito todos os anos este mesmo ritual de purificação?
Certamente Deus quis oferecer um sistema “pedagógico” para que o povo aprendesse sobre o processo do plano da salvação, e como ele se desenvolve. As diversas gerações deveriam aprender como o desenrolar dos acontecimentos que envolvem o pecado afetam tragicamente nossa vida.
Através das cenas sangrentas e vívidas (tanto as diárias quanto as anuais), o povo teve condições de preparar-se para a chegado do verdadeiro Cordeiro que tiraria o pecado do mundo (cf. João 1).

Santuário Celestial

Por que o santuário celestial foi contaminado?
O Santuário Terrestre era um “modelo” daquele que existe no Céu (cf. Heb. 8:1-2).
Uma vez que os 2300 anos de Dan. 8:14 se projetam até uma época bem avançada na era cristã, o santuário de Daniel não pode referir-se ao templo de Jerusalém que foi destruído no ano 70 AD. O santuário do novo pacto é certamente o santuário celestial, “que o Senhor erigiu, e não o homem” (Hb 8:2). Cristo é o Sumo-Sacerdote deste santuário (Hb 8:1).
João previu um tempo quando se dirigiria atenção especial ao “templo de Deus, e ao altar, e aos que adoram nele” (Ap 11:1). Os símbolos que são usados pelo profeta de Patmos são notavelmente parecidos aos que se empregam em Dn 8:11-13.

O Santuário do deserto já não mais existia; O Templo de Salomão estava em ruínas; o Templo de Zorobabel foi dedicado em 515 a.C.; O Santuário seria reconstruído e depois destruído (9:26) – isso ocorreu na destruição de 70 AD.

Portanto, o Santuário de Dn 8:14 só pode ser o celestial.

A contaminação se deu através da ação do chifre pequeno, segundo o profeta Daniel. Este poder blasfemo colocou um sistema de salvação totalmente oposto ao que era tipificado no Santuário.
Daniel diz que uma das ações deste chifre refere-se ao contínuo ministério sacerdotal de Cristo no santuário celestial (Hb 7:25; 1Jo 2:1) e à verdadeira adoração de Cristo na era evangélica.
O poder representado pelo chifre suprimiu o “contínuo”, o que significa a substituição feita pelo papado da união voluntária de todos os crentes em Cristo por uma união obrigatória com uma igreja visível.

Em suma, o Santuário Celestial foi “contaminado” porque o papado promoveu a substituição do sistema de sacrifícios baseado no sangue de Cristo, por um sistema baseado na intercessão dos sacerdotes, dos “santos” e de Maria.

O que foi feito para purificá-lo, ou ele ainda está sendo purificado? E por quem?
É interessante notar que Daniel usa a raiz SDQ em Dan. 8:14. A outra raiz possível (TAHER) tem o sentido de “purificar” (purificação legal) e a ação do chifre pequeno afetaria o santuário celeste: a) lugar lançado por terra; b) o “Tamid” (que Jesus realiza no santuário celestial) é “cortado” do Príncipe; c) o chifre assume o lugar do Príncipe, caráter sacerdotal; d) o chifre introduz formas de serviços em substituição as orientadas por Deus; etc.
Nisdaq (da raiz SDQ) tem o sentido de uma purificação mais ampla (purificação indireta ou ilegal), e ocorre também em contextos judiciais.

Assim, a obra a ser feita no Santuário Celestial não será apenas purificar (TAHER), mas também vindicar (SDQ) - cf. Hb 9:23.

Dan. 8:14 diz que ao final dos 2300 anos (ou seja, após 1844 d.C.) o Santuário será “purificado”. É interessante observar a maneira diferente com que as várias versões da Bíblia traduziram esta expressão:
“seria feita justiça” (Bíblia de Jerusalém)
“seria reconsagrado” (New International Version)
“será levado à sua condição correta” (Tradução Novo Mundo)
“será restabelecido em seus direitos” (Trad. Ecumênica)
“será limpado” (King James Version)

Portanto, vemos que a obra de “purificação” não se refere exatamente à uma obra de aspersão de sangue como era feito no santuário do deserto, mas a uma retomada do verdadeiro sistema de salvação, o qual havia sido derrubado durante atuação do chifre pequeno.

A partir de 1844 Jesus iniciou, portanto, este trabalho de “vindicação”, “justificação”, “purificação” (etc.) do Santuário Celestial, através do restabelecimento da verdadeira doutrina da salvação (cf. Apoc. 14).

Quantas vezes é preciso fazer o sacrifício para purificá-lo?
Segundo o livro de Hebreus, Jesus já ofereceu o suficiente e amplo sacrifício (cf. Heb. 9:23-28). Nenhum sacrifício "complementar" é necessário.

Aos que desejam se aprofundar mais sobre o tema do Santuário, sugiro a leitura detalhada do livro do Pr. Timm, “O Santuário e as Três Mensagens Angélicas”, bem como o estudo da Lição de Escola Sabatina sobre o livro de Daniel, estudada há alguns meses.

Também há um site muito interessante, preparado por alguns estudiosos Adventistas do Rio Grande do Norte. Clique aqui e veja mais.

"Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas" - Apoc. 14:7.

7 comentários:

Francisco Alves de Pontes disse...

Gosto de ler os artigos do Prof. Gilson. Mas, infelizmente, ele se equivoca quando afirma que o Templo de Zorobabel foi dedicado em 551 a.C. Nessa data os judeus ainda estavam cativos em Babilônia, e a terra de Israel se achava em ruínas. Seu cativeiro só terminou com o decreto de Ciro em 536 a.C. Chico.

Prof. Gilson Medeiros disse...

Caro irmão Francisco, muito obrigado pela observação.
Eu cometi um erro de digitação (já corrigido), pois a data correta é 515 a.C.
Mais uma vez, obrigado!

Anônimo disse...

Olá, tenho uma dúvida. Jesus fez expiação com seu sacrifício na cruz e apartir de 1844 aplica apenas os méritos dela, ou Ele apenas providenciou o meio (sangue) para fazer de fato expiação a partir de 1844?

Gilson Medeiros disse...

Olá, Anônimo.
A expiação foi COMPLETA e CABALMENTE executada na Cruz.
Em 1844 iniciou-se uma "fase do juízo", da mesma forma que ocorria no santuário do deserto (Lev. 16).

Um abraço.
Gilson.

Aguinaldo C. da Silva disse...

Se a obra da expiação foi completada na cruz, por que Ellen White assim escreveu:
"Destarte, os que seguiram a luz da palavra profética viram que, em vez de vir Cristo à Terra, ao terminarem em 1844 os 2.300 dias, entrou Ele então no lugar santíssimo do santuário celeste, a fim de levar a efeito a obra final da expiação, preparatória à Sua vinda." CS pág 433

Acho que o maior problema na IASD é explicar a Expiação. Sou adventista de berço e ainda não entendi plenamente este tema. No dia em que os adventistas conseguirem elucidar plenamente o tema vão ganhar muitos adeptos, com certeza!

Aguinaldo C. da Silva disse...

Mais um texto interessante de Ellen White sobre Expiação.

É esta vinda, e não o seu segundo advento à Terra, que foi predita na profecia como devendo ocorrer ao terminarem os 2.300 dias, em 1844. Assistido por anjos celestiais, nosso grande Sumo Sacerdote entra no lugar santíssimo, e ali comparece à presença de Deus a fim de Se entregar aos últimos atos de Seu ministério em prol do homem, a saber: realizar a obra do juízo de investigação e fazer expiação por todos os que se verificarem com direito aos benefícios da mesma." CS Pg. 480.

Aqui ela coloca bem claro: FAZER EXPIAÇÃO por todos que se verificarem com direito ..."
Como foi completada na cruz? Este é o conceito protestante de expiação. Se Jesus não está fazendo expiação a partir de 1844 no céu, por que relacionar esta obra com Lev. 16?

Gilson Medeiros disse...

O que diz a crença fundamental 24?

Há um santuário no Céu, o verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem. Nele, Cristo ministra em nosso favor, tornando acessíveis aos crentes, os benefícios de Seu sacrifício expiatório, oferecido uma vez por todas na cruz. Ele foi empossado como nosso grande Sumo-sacerdote e começou Seu ministério intercessório por ocasião de Sua ascensão. Em 1844, no fim do período profético dos 2300 dias, Ele iniciou a segunda e última etapa de Seu ministério expiatório. É uma obra de juízo investigativo, a qual faz parte da eliminação final de todo o pecado, prefigurada pela purificação do antigo santuário hebraico no Dia da Expiação. Nesse serviço típico, o santuário era purificado com o sangue do sacrifício de animais vivos, mas as coisas celestiais são purificadas com o perfeito sacrifício do sangue de Jesus. O juízo investigativo revela aos seres celestiais quem dentre os mortos dorme em Cristo, sendo, portanto, nEle, considerado digno de ter parte na primeira ressurreição. Também torna manifesta quem, dentre os vivos permanece em Cristo, guardando os mandamentos e a fé de Jesus, estando, portanto, nEle preparado para a transladação ao Seu reino eterno. Esse julgamento vindica a justiça de Deus em salvar os que crêem em Jesus. Declara que os que permanecem leais a Deus receberão o reino. A terminação do ministério de Cristo assinalará o fim do tempo da graça para os seres humanos, antes do Segundo Advento.
› Razões bíblicas: Hebreus 1:3; 8:1-5; 9:11-28; Daniel 7:9-27; 8:13 e 14; 9:24- 27; Números 14:34; Ezequiel 4:6; Malaquias 3:1; Levítico 16; Apocalipse 14:12; 20:12; 22:12

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões