quinta-feira, setembro 05, 2013

A Lei do Espírito e os Dois Pactos (2Cor. 13)

Um estimado leitor do blog me enviou um comentário solicitando mais informações sobre as declarações de Paulo em 2Cor. 13.

Ele mencionou de um diálogo que teve com um pentecostal, o qual argumentava que a Lei do Espírito, mencionada por Paulo, era uma "substituição" à Lei de Pedra, fazendo referência aos 10 Mandamentos.

O senhor também lhe dizia que haviam dois pactos, duas alianças, e nós estamos sob a influência do 2º Pacto. Esta é uma declaração também muito conhecida, pois estas pessoas consideram que o Antigo Testamento, com todas as suas leis, perdeu o valor a partir da existência do Novo Testamento e o sacrifício de Jesus.

O que ocorre é que há uma tendência natural do movimento pentecostal, e de algumas denominações evangélicas mais tradicionais, de rejeitarem aquilo que eles consideram como sendo apropriado apenas ao Judaísmo. Fazendo isso, eles argumentam que todo o Antigo Testamento deixou de ter sentido quando do ministério sacrifical de Jesus. O que eu estranho é o fato de que, no fundo, no final das contas, este argumento só é levado em conta com relação ao 4º Mandamento - o sábado do sétimo dia.

Dificilmente encontraremos um líder pentecostal pregando em sua igreja que alguns elementos predominantemente vinculados ao AT também perderam a validade. Por exemplo:
- O dízimo
- O 2º Mandamento (que assim como o 4º, não se repete no NT, como vociferam os pentecostais)
- O criacionismo
- Os salmos e provérbios
- As histórias de conquistas militares (já perceberam como os pentecostais "adoram" usar detalhes das vidas dos líderes do AT para defenderem a teologia da prosperidade?)
- Os outros 9 Mandamentos de um modo geral

Estas pessoas parecem "esquecer" algo muito simples e inquestionável: as Escrituras que Jesus tanto defendeu não continham o Novo Testamento, pois este não existia em Sua época. Para Jesus, as Escrituras que conduzem o homem a Ele são os escritos do Antigo Testamento, o Novo é, apenas, para confirmar e ampliar o que o Antigo já determinava, profetizava e anunciava (cf. Mat. 21:42; 22:29; 26:56; Marcos 12:24; Luc. 24:27, 45; Jo 5:39, etc.).

Não é demais lembrar que o próprio Jesus já profetizou que muitas pessoas que hoje usam Seu santo nome, não fazem parte do Seu povo, por um motivo bem simples: desprezam Sua Lei (cf. Mat. 7:21-23).

2Coríntios 13

Para ajudar meu amigo leitor a esclarecer as dúvidas sobre esta passagem, vou aproveitar o que está no respectivo Comentário Adventista.

"Tábuas de Pedra"
Ou "tabuletas de pedra". Paulo contrasta as duas tábuas de pedra nas quais Deus escreveu os Dez Mandamentos no Sinai com as tabuletas de carne do coração. Não havia nada mau em que a lei de Deus estivesse escrita em pranchas de pedra, mas enquanto só estivesse escrita ali e não fora transferida às tabuletas dos corações dos homens, na prática permanecia só como letra morta. A verdade tem força vivente e ativa só quando é aplicada aos problemas da vida. Paulo antecipa aqui o que vai dizer sobre o novo pacto nos vers. 6-11. Faz-se referência à experiência do novo pacto em passagens das Escrituras como Jer. 31:31-33; Eze. 11:19-20; 36:26-27; Heb. 8:8-10.

Só Deus tem poder para chegar até o coração e escrever ali Sua lei. É mais fácil escrever Sua lei em pranchas de pedra, porque estas não têm vontade para opor-se; mas uma vez que a lei está escrita no coração, deixa de ser letra morta. O papel e a pedra são transitivos; mas não passa o mesmo com a lei escrita no coração e na vida.

Moisés descendeu do Sinai trazendo duas pranchas de pedra, evidência visível de que tinha estado com Deus, e descendeu do monte como porta-voz instituído por Deus. Embora os créditos do Paulo não eram de uma natureza tangível, não eram menos reais, pois a mesma lei divina tinha sido escrita pelo Espírito Santo no coração do apóstolo e nos corações de seus conversos. Paulo não necessitava outros créditos. Sua vida e as daqueles a quem havia levado a Cristo, constituíam uma evidência suficiente de que sua comissão provinha de Deus.

"Novo pacto"
Paulo contrasta o novo pacto com o antigo. A um o identifica com o espírito; ao outro, com a letra. Sob o antigo pacto, a reverência judia pela singela "letra" da lei virtualmente se converteu em idolatria; asfixiou o "espírito". Os judeus preferiram viver sob o domínio da "letra" da lei. Sua obediência à lei, ao ritual e às cerimônias estabelecidas, era formal e externa. A consagração e a obediência de um cristão não devem caracterizar-se por procedimentos rotineiros, minuciosas régias e complicados requisitos, mas sim pela presença e o poder do Espírito de Deus.

"Não da letra"
O contraste entre "letra" e "espírito" nas Escrituras é peculiar do apóstolo Paulo (ver Rom. 2:27-29; 7:6). A primeira é superficial; o segundo chega ao íntimo. Tanto judeus como cristãos correm o perigo de pôr ênfase na "letra", excluindo o "espírito". O AT e o NT constituem uma revelação inspirada pelo Espírito Santo (2 Tim. 3: 15-17). Deus queria que o judaísmo tivesse ambos, a "letra" e o "espírito": o registro da vontade revelada de Deus e certas formas ou ritos prescritos que se traduziram em uma experiência vivente (ver João 4:23-24); o mesmo deve acontecer no cristianismo. Os credos oficiais, a teologia teórica e as formas do culto, não têm poder para salvar aos homens do pecado.

A "letra" da lei era boa pois procedia de Deus e ficou registrada nos escritos de Moisés; mas Deus tinha o propósito de que a "letra", o registro escrito da lei, fora só um meio para alcançar um fim mais elevado: estabelecer o "espírito" da lei nos corações dos judeus. Entretanto, a maioria dos israelitas fracassaram em interpretar a "letra" da lei em termos do "espírito" da lei; quer dizer, não a converteram em uma experiência religiosa de salvação pessoal do pecado por meio da fé na expiação que proporcionaria o Mesías. Só o "espírito" da lei pode "vivificar", se trate de judeus ou de cristãos. A prática do cristianismo facilmente pode degenerar em uma "aparência de piedade " sem "a eficácia dela" (2 Tim. 3: 5). De modo que a "letra" do cristianismo "mata" aos que dependem dela para a salvação.

Nos dias de Paulo o judaísmo tinha perdido a tal ponto o "espírito" da verdadeira religião, que seus ritos religiosos eram somente "letra". Como sistema tinha perdido o poder de repartir vida a seus seguidores (ver Marcos 2:21-22; João 1:17); o cristianismo, por sua parte, ainda era jovem e forte, embora nos séculos seguintes também se degeneraria (cf. Dan. 7). De modo que quando Paulo escreveu, o judaísmo estava identificado com a "letra", e o cristianismo se identificava com o "espírito" até onde estava livre da influência do judaísmo.

Não tem nenhum fundamento o argumento de que Paulo menospreza aqui o AT e o Decálogo, pois ao escrever aos gentios que tinham aceito o Evangelho, repetidas vezes ele afirma a vigência do AT e do Decálogo para os cristãos (ver Rom. 8:1-4; 2 Tim. 3:15-17; Efés. 6:2; cf. Mat. 5:17-19). Cristo e os apóstolos não tinham outras "Escrituras" fora do AT (ver João 5:39). Os nomes de muitos fiéis que se registram em Heb. 11, junto com muitos milhares de crentes do tempo do AT, experimentaram a obra do Espírito Santo em suas vidas assim como milhares a sentiram nos dias do NT.

Cada igreja e cada credo tem sua "letra" e seu "espírito". O Evangelho de Jesus tem sua "letra" e tem seu "espírito"; mas sem o poder vivificante do Espírito Santo, o Evangelho indevidamente se converte, em qualquer igreja, em "letra" morta. Milhares e milhares que se chamam cristãos estão satisfeitos com a "letra", e permanecem completamente desprovidos de vida espiritual. O que Deus exige não é simplesmente um proceder correto, mas sim que o dito proceder seja o produto e a evidência de uma boa relação com Deus e uma ótima condição moral e espiritual. Reduzir a vida e o culto cristãos ao cumprimento de um sistema de regras sem que haja dependência do Deus vivente, é confiar no uso e o ministério da "letra". Os atos externos e as cerimônias da religião, seja judia ou cristã, nada mais são que um meio para alcançar um fim. Mas se os considera como fins em si mesmos, convertem-se imediatamente em um estorvo para a verdadeira experiência religiosa.

O mesmo com a lei de Deus, o Decálogo. O cumprimento externo de seus preceitos, em um esforço para ganhar a salvação mediante eles, é vão. A obediência tem valor diante de Deus só quando se produz como um resultado natural do amor a Deus e ao próximo (ver Mat. 19:16-30). No Sermão do Monte nosso Senhor destacou o princípio de que a obediência à "letra" da lei sem o "espírito" de obediência, não alcança a norma de justiça divina (ver Mat. 5:17-22). Contra o que afirmam certos expositores modernos das Escrituras, o "espírito" da lei não invalida sua "letra". Por exemplo, Jesus ordenou a Seus seguidores, apoiando-se no sexto mandamento, que não se zangassem contra seus irmãos (Mat. 5: 22), mas com isso não autorizou a ninguém para que violasse a letra do mandamento matando a seu próximo. É óbvio que o "espírito" do sexto mandamento não ocupa o lugar de sua "letra", mas sim complementa a letra e a magnifica (ver Isa. 42:21). O mesmo pode dizer-se dos outros nove preceitos do Decálogo, inclusive o quarto (ver Isa. 58:13; Marcos 2:28).

::::::::::::

Conclusão

Vemos, mais uma vez, que não há nenhuma contradição na Bíblia. O mesmo Deus do AT é o Deus do NT, por isso não pode haver "duas leis" mutuamente excludentes. Deus é um Deus de ordem, justiça e eternidade.

Assim como Paulo, os Adventistas também crêem e ensinam que não há salvação na guarda dos mandamentos. A graça é o único, eficaz e pleno meio a se alcançar o perdão dos pecados e a vida eterna. Mas, assim como o apóstolo da graça, não podemos aceitar que a graça seja inimiga da obediência.

Somos salvos unicamente pela fé, mediante a graça de Cristo... mas para vivermos uma vida de santidade e obediência, que se expressa, também, na guarda dos mandamentos, não como "meio" de salvação, mas sim como um "fruto" da salvação que já foi conquistada.

"Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dEle, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas" (Efés. 2:8-10).

2 comentários:

Rodrigo disse...

Sabe o que é mais engraçado Gilson?

Essas mesmas pessoas usam o livro de Levíticos para dizer que a prática homossexual é errada.

Ora, para eles, o livro de Levíticos não é apenas um amontoado de Leis ultrapassadas, que foram pregadas na cruz?

Eis a razão de haver tantas Igrejas protestantes tradicionais se transformando em Igrejas inclusivas. =/


Quanta contradição em...


Shalon!

Gilson Medeiros disse...

É verdade, Rodrigo.

Obrigado pelo comentário.

Um abraço.
Gilson.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões