sexta-feira, janeiro 02, 2015

Em pleno ano de 2015, ainda precisamos obedecer aos 10 Mandamentos?

Infelizmente, aqueles que professam o Cristianismo em nossos dias, em sua grande maioria, pregam um desprezo à Lei de Deus, que beira a blasfêmia. Deus escreveu, com Seu próprio dedo, em tábuas de pedra, os 10 princípios que deveriam ser seguidos pelo Seu povo em todas as eras, pois tal Lei é o próprio reflexo do caráter do Senhor (cf. Êx 31:18; Jr 31:33; Hb 8:10).

Por toda a Bíblia vemos que Ele sempre transmitiu mensagens de chamado à obediência para com a Lei moral. Através dos escritores bíblicos, muitas foram as mensagens que deveriam servir de motivação para que o povo nunca se afastasse do cumprimento da Lei (cf. Sal. 89:30-32; todo o Sal. 119; Êx 16:14; Pv 7:2; Jr 9:13; 16:11; Os 8:1, 12; etc.).

Hoje em dia, porém, muitos professos seguidores de Jesus alegam que “a Lei passou”, pois vivemos no chamado “tempo da graça”. Ora, isso soa estranho aos ouvidos de quem realmente conhece a Bíblia, pois a Lei e a graça sempre andaram juntas. A graça não existiu somente a partir do ministério terrestre de Jesus (cf. Sal. 6:4; 13:5; 40:10-11; 62:12; 66:20; 69:13; 89:14; Is 60:10; Zc 12:10; etc.); bem como a Lei moral não foi abolida na Cruz (cf. Mt 5:17-19; At 24:14; Rm 2:13; 3:20, 31; 7:7-8, 12; Tg 1:25; todo o cap. 2 de Tiago; 1Jo 3:4; etc.).

Importantes estudiosos não-Adventistas têm afirmado que não devemos rejeitar o Antigo Testamento e seus ensinos, dando valor apenas ao Novo Testamento, especialmente porque eles estão intimamente ligados. Dentre estes teólogos, quero citar D. A. Carson, Douglas J. Moo e Leon Morris, que na sua Introdução ao Novo Testamento (editora Vida Nova, 1997) dizem o seguinte:

... Não há nenhum indício de que os escritores do Novo Testamento queiram rejeitar alguma parte do Antigo Testamento canônico sob a alegação de ser incompatível com sua fé cristã em desenvolvimento. Paulo chega a insistir em que o motivo pelo qual as ‘Escrituras’ foram escritas foi a instrução e o encorajamento dos cristãos (Rm 15:3-6)” (pág. 546).

Vejam, ainda, o que se encontra em uma das "notas teológicas" da Bíblia de Estudo de Genebra, uma das mais respeitadas Bíblias de Referência, e editada por não-Adventistas:

"A lei moral revelada no Decálogo [ou seja, nos Dez Mandamentos] e exposta em outras partes das Escrituras é uma expressão da integridade de Deus, outorgada para ser o código de prática para o povo de Deus, em todas as eras. A lei não se opõe ao amor e à bondade de Deus, porém demonstra o que esse amor e bondade são na prática. O Espírito concede aos cristãos o poder para cumprir a lei, tornando-nos cada vez mais semelhantes a Cristo, o cumpridor arquetípico da lei (Mat. 5:17)" (pág. 1512).

Que impressionantes declarações! Não acham?!

Aqueles que estudam a Bíblia destituídos de preconceitos, verão claramente que há uma Lei que nunca passou, nem passará, pois como poderíamos imaginar um Deus Criador e Mantenedor que não tem uma Lei para dirigir e julgar a vida do Seu povo?! Chega a ser um absurdo pensar assim!

Porém, eu gostaria de convidar você a ponderar comigo sobre um fato que observo entre aqueles que esbravejam com tanto zelo a mensagem de que a “Lei passou”. Se você indagar qualquer pessoa que considera que a Lei de Deus não mais deve ser observada pelos cristãos atuais, você verá, assim como tenho visto inúmeras vezes, que a questão não é a Lei em si, pois há 9 pontos da Lei Moral que os protestantes aceitam sem pestanejar, enquanto que os católicos, apenas 8.

Em qualquer igreja "evangélica" séria, uma pessoa que cometer adultério, assassinato, furto, idolatria, etc., certamente passará por alguma sanção disciplinar, podendo ser até mesmo excluída da comunhão da igreja.

Ora! Se “a Lei” passou, então porque condenar as pessoas que a transgridem? Se vivemos hoje no chamado “tempo da graça”, porque então a quebra dos Mandamentos não é imediatamente perdoada e relevada, uma vez que, como dizem, tal Lei não mais existe como norma para o povo de Deus dos nossos dias? Por que os protestantes condenam os católicos romanos pela adoração de imagens, se os primeiros acreditam que a Lei não vale mais (cf. Êx 20:4-6)? Os católicos romanos, pelo menos aqui, são mais sinceros, pois não ficam dizendo que os 10 Mandamentos passaram; o que aconteceu, dizem os católicos romanos, foi que a igreja deles simplesmente mudou a Lei – basta conferir no Catecismo.

Ou seja, tanto os católicos romanos, quanto os protestantes contrários à Lei, estão no mesmo barco, pois desprezam as claras palavras que o Todo-Poderoso do Universo escreveu com Sua própria caligrafia divina (cf. Êx 31:18) – a única parte da Bíblia que Deus não permitiu ao homem escrever por si mesmo! Pense nisso!

Vemos, então, que aqueles que afirmam que a Lei passou, na verdade, estão agindo de má fé, pois o que eles querem atacar não é a Lei como um todo, pois está evidente que as igrejas protestantes continuam seguindo 9 Mandamentos da Lei moral. O que está realmente na mente destas pessoas é a nulidade do 4º Mandamento, exatamente o que requer a adoração ao Senhor no dia em que Ele determinou – o sábado do sétimo dia (cf. Gên. 2:1-3; Êx 16:1-5; 20:8-11).

É muito claro nas páginas das Escrituras, como vimos até aqui, que a Lei moral dos 10 Mandamentos nunca passou, e permanece até hoje como a norma pela qual o Senhor “medirá” o caráter daqueles que professam o nome de Cristo em suas vidas (cf. Tg 2:10-12; Mt 7:21-23; Jo 14:15; 1Jo 2:4).

Por esta razão, os Adventistas levantam bem alto a bandeira da guarda incondicional dos 10 Mandamentos da Lei moral de Deus, não como meio de salvação (como já expliquei inúmeras vezes aqui no blog), mas como demonstração de amor e gratidão pela graça que Deus derrama abundantemente em nossas vidas, e mais ainda porque Ele mesmo nos concede o poder necessário para guardarmos a Sua santa Lei (cf. Sal. 37:25; 1Pe 1:2; Dt 28:13; Tt 3:3-7; Ef 2:10).

Extraído de "101 Razões Porque Sou Adventista do 7º Dia", de minha autoria.

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade" (Mateus 7:21-23).

20 comentários:

Anônimo disse...

Olá ! Pastor Gilson,espero que esteja bem em todas as áreas de sua vida.E que Deus continue abençoando o senhor e todos os seus queridos. Vim aqui pra dizer que amo tudo o que o irmão escreve,pois sinto que Deus tem dado sabedoria ao irmão,que em nenhum momento tem falado de forma que onfenda aos outros,ou seja, as diversas denominações. Isto só pode ser uma grande dádiva dos céus. Que o irmão seja cada dia mais instruído pelo Senhor para assim nos trazer conhecimento e clareza. Um bom témino de sábado ao senhor. Fique na paz do Senhor Jesus!! Cidinha- São Paulo

Prof. Gilson Medeiros disse...

Cara Cidinha, muito obrigado por suas palavras de simpatia, amizade e incentivo.

Fico feliz em saber que este "ministério virtual" tem contribuído para o crescimento espiritual de meus queridos irmãos e irmãs Adventistas do 7º Dia.

Louvado seja Deus!

Anônimo disse...

Estou sempre recorrendo à você,caro Gilson,para tirar dúvidas e aprender mais da verdade.Que Deus o abençoe sempre.

ESPIRITO DE PROFECIA disse...

A lei nao passou.
o Cristão foi morto por ela e esta morto para ela. como a lei pode ter poder em alguem que ja morreu?
abre teu entendimento.

Prof. Gilson Medeiros disse...

Oh, meu Deus! O que estão ensinando nos púlpitos destas igrejas evangélicas de hoje?! (cf. Mat. 7:21-23).

É por isso que o Senhor Jesus não vai reconhecer tanta gente que usa Seu nome!

Então, caro ESPIRITO DE PROFECIA (sic), em sua igreja as pessoas podem roubar, adulterar, mentir, bater no pai e na mãe, etc... que está tudo bem!?

Que absurdo!

Anônimo disse...

Aquêles que defendem a tese que a Lei
passou,na verdade fazem apologia do
crime.
Nem a lei dos homens,nem a Lei de
DEUS pode passar,pois todos precisamos dela,o contrário é anarquia,incivilidade,caos...etc.

shirleymaiaramos2009 disse...

Sr Gilson
Você citou, com boa propriedade, um dos maiores exegetas da atualidade, Dr. Dom Carson. Recomendo, então, o seu livro publicado pela Cultura Cristã: Do Shabbath para o Dia do Senhor, e surpreenda-se com o seu posicionamento.
Diego

DAQUE disse...

VIVEMOS O TEMPO DA GRAÇA EM JESUS, CLARO QUE EXISTEM LEIS A SEREM RESPEITADAS, POIS TODA AUTORIDADE É CONSTITUIDA POR DEUS , O VT NAO DE VE SER ABOLIDO MAS JESUS É O NOSSO MAIOR EXEMPLO DE CUMPRIMENTO DA LEI, OU NAO,JESUS DISSE: NÃO A LEI MAIOR QUE O AMOR. E AGORA O QUE DIZER, E OUTRA NAO SOMOS JUSTIFICADOS PELA LEI DO VT MAS SIM PELA FÉ EM JESUS E O DOM IMERECIDO, OU SEJA GRAÇA.

Gilson Medeiros disse...

Caro Daque, cuidado para não confundir "graça" com "libertinagem", conforme nos adverte o livro de Judas.

Um abraço.
Gilson.

Gilson Medeiros disse...

Cara Shirley, se o Dr. Carson se contradiz em seus livros(porque se em um ele diz que nada do AT foi rejeitado pelo NT, e em outro ele "prova" que o sábado mudou para o domingo), então isso já é uma certeza de que somente devemos aceitar a doutrina que estiver contida na Bíblia, infalível Carta de Deus para nós, pecadores.

Um abraço.
Gilson.

daque disse...

ola....desculpe nao compreendi, o que o senhor quer dize com libertinagem.

Gilson Medeiros disse...

Caro Daque, segundo a Bíblia, libertinagem é quando confundimos a graça de Cristo (que salva e liberta) com uma falsa "permissão para pecar".

Ora, se eu sei que não devo adorar imagens, por exemplo, mas adoro, não devo me utilizar da "graça" para dizer que a Lei passou e que agora o que vale é a fé em Cristo. Para mim, esta fé é falsa, pois o verdadeiro crente obedece e respeita ao que o Senhor determinou (cf. João 14:15).

Um abraço.
Gilson.

osvaldo disse...

ola Sr. Gilson eu também não entendo, quando se espressa, Graça com libertinagem, Graça com liberdade para pecar.
Se Deus me chama, se Ele me devolveu a vida, se Ele morreu por mim, se sou limpo pelo sangue derramado, se pelo sacrificio do Machiah eu fui salvo,fui justificado, me tornei santo na sua santificação, como poderia proclamar tudo isto se ainda dependo da lei, pra que isto seja real na minha vida.
Deus e conhecedor do passado presente e futuro, entendo que Ele ao me chamar, Ele já me justificou, ou devo crer que ao me chamar e me justificar Ele não quiz saber do que eu iria ser no futuro, que seria um absurdo, meu livre arbitrio não vale para minha salvação, pois Ele ja sabia quem eu seria bom ou mal, Jamais eu diria que Ele escreve o meu nome e risca do contrario Ele não seria Uniciente, Todo poderoso, Reis dos Reis.
Como ja disse antes a lei foi feito por causa dos injustos, porque se todos fossem justos não haveria lei, e foi isto que o Mashiah fez me justificou, não mais sou contado como injusto.
Não estou dizendo que a lei não era boa, não era santa, mas ela só me serviria, se para ser justificado eu teria que cumpri-la, e isto só foi feito pelo Mashiah, ninguem dos patriarcas cumpriram a lei, mas todos eles foram justificados no Mashiah, todos tinham esperança de ser salvo na Graça que haveria de ser manifestada, eles não viveram na graça, eles simplesmente via atraves do Espirito que neles habitavam.
Porque que eu sei que não devo matar, adulterar, roubar, se eu disser que é por causa da lei, que assim diz, eu realmente não nasci de novo, e com toda certeza o Mashiah ainda não me chamou, então seu Espirito realmente não habita em mim.
Porque é justificado aquele, que é guiado pelo Espirito e não pela letra.
Não é cumpridor aquele que cumpre mas odeia, sente vontade, e sim aquele que não odeia, não deseja, não tem vontade de adulterar, roubar etc.

Chacon disse...

Caracas!!! Gilson, os comentários mais parece uma salada russa, tem de tudo um pouco. Tem um que disse que o Cristão foi morto por ela!!! Caracas!!! O Cristão foi mortooo???? Pensei que eu havia morrido mas Cristo vive em mim, e se Cristo vive em mim, como disse Paulo, eu sou Cristão, vivinho da Silva. Não contente, ele mata a lei...
Gilson, temos que pedir paciência, e sobre tudo inteligência para certos irmãos.

Gilson Medeiros disse...

É verdade, Chacon.
E olha que eu nem publico todas as "preciosidades" que o pessoal escreve...rsrsr

Anônimo disse...

Talvez devamos entender que os mandamentos são mais uma dádiva e proteção à vida que incapacidade para atingir o que julgamos ser liberdade.
Afinal, com a abolição da Lei não poderíamos sofrer também como vítimas dos outros com a desonra paterna, o assassinato, o furto, o adultério, o falso testemunho e a cobiça.
No tocante aos demais mandamentos que se relacionam com Deus, também não são eles uma obrigação formal, mas uma dádiva para comunhão com nosso Criador por meio da fidelidade, exclusivo louvor e adoração, honra ao Seu Nome e, em especial, um momento de relacionamento e dedicação de todo nosso ser ao seu louvor.

Chacon disse...

Estive pensando..., como homens comuns, qualquer, podem impor sua vontade contra as palavras de homens que falaram, ou tiveram contato com Deus? Quem tem mais credibilidade, aqueles que mudaram os tempos (calendários) e a Lei, ou aqueles que ouviram a voz de Deus, falaram com ele, quase viram sua Glória e ficaram marcados por isso? Que palavra tem mais valor? Mais uma vez, qual palavra tem mais valor, a de um Papa que se auto-proclama infalível, e entre outras coisas mudou o dia de adoração do Sábado do sétimo dia para o 1o. dia da semana, ou de Moisés um servo humilde que serviu a Deus em tudo de maneira humilde e dedicada? e depois do Papa ter mudado de Sábado para o domingo, hoje todas com raríssimas exceções, eu conheço duas denominações que mantêm a guarda do Sábado, todas as outras seguem a ICAR que mudou o dia. Vai ser salvo pela Graça? Vai, mas eu faço uma pergunta aos que acham que a Lei acabou: como achar Graça aos ólhos de Deus se não fizer a Sua vontade? Vai ser salvo pela graça só porque é bonito? Ledo engano meus irmãos. "ah, sou salvo pela Graça, e faço o que quero estou salvo".. Opá!! Tem certeza que está salvo? Não seria melhor se voltar a Deus, fazer a Sua vontade para achar graça aos Seus ólhos? Abraço a todos.

Unknown disse...

Olá Pastor!
Amo seu blog e sempre utilizo seus posts mais que úteis para análise, argumentos e ajuda em respostas.
Gostaria de adquirir o livro mencionado "101 razões porque sou adventista do sétimo dia".

osvaldo disse...

Ola, gostaria de fazer aqui mais um comentário, de como eu vejo a lei e a graça.
É claro para mim que a salvação não é pelas obras, e sim pela graça imerecida mediante a fé, as obras são a obediencia, se eu tiver que trabalhar para obte-la, os meritos são meus, assim Deus tera uma divida comigo, pois obedeci, e sera justo Deus me dar a salvação, e como fica os meritos do Mashiah, a santificação dele por nós, o unico que foi Santo para cumprir na integra a Tora, Ele foi obediente, manso, humilde, sem pecado, Ele foi tudo isto, para nos livrar destes fardos, ora se para me salvar terei que fazer tudo oque Ele fez, diremos então que Ele veio aqui fez tudo isto e ainda morreu de graça.
Mas não é assim a Graça de Deus Ele por meio do Mashiah, nos deu gratuitamente a vida eterna, nos capacitando para sermos santo como o Mashiah foi, recebemos de graça mas teremos que ter responsabilidade, o dever de sermos santo,em agradecimento a Ele pelo que Ele fez por nos. Ser obediente não quer dizer santidade, posso ser obediente mas não ter sido circuncidado no coração por Deus.
Na lei se eu matar, serei sempre um criminoso, digno de morte, como era feito com quem adulterava, era pra sempre um adultero, na Graça não se eu cometer um crime terei perdão pelo arrependimento, se cometer um adulterio, não serei pra sempre um adultero, pois adultero na graça é aquele que vive comentendo tal ato, mas apartir do arrependimento, deixo de ser adultero, e este pecado não mais me é imputado. pois o arrependimento produz fruto para vida eterna.
Quem de nós não comete pecado, e como dizem pecar e trnsgredir a lei, e como sempre cometeremos pecado estariamos sem salvação, pois como disse quem disser que não comete pecado é mentiroso.

joao Oliveira Neto disse...

Eu tenho certeza que o suposto cristão ainda não compreendeu o que é GRAÇA. A Graça nos salva do que? É claro, do pecado. Todos nós somos pecadores. Se não existisse lei, não haveria pecado, também, a graça seria uma utopia teológica. Quando Jesus morreu na cruz, Ele me salvou da condenação do pecado. Isso se eu aceitá-lo. Eu aceito, porém, eu sou humano, continuarei pecando, transgredindo a lei. Logo, a lei mostra-me o meu pecado e eu volto a Cristo arrependido para receber o perdão de Cristo (Graça). A Lei serve para me conduzir a Jesus.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões