quarta-feira, novembro 11, 2015

Por que somos Adventistas?

Lembro que certa ocasião eu estava conversando com alguns irmãos da Igreja, e um deles lembrou um fato que é grande realidade atualmente: as Igrejas não pregam mais sobre a volta de Jesus. Isso é muito claro, especialmente, nas chamadas "neo-pentecostais".

À exceção da Igreja Adventista, são raras as vezes em que vemos algum programa de TV, um pregador neo-pentecostal, um líder católico, etc., falar sobre este que será o maior evento da História Mundial.

Um dos motivos, sabemos, é o fato de que a compreensão que se tem nessas denominações sobre a Escatologia (ou a parte da Teologia que estuda os eventos finais do mundo) está muito misturada com teorias fantasiosas, as quais acabam por prejudicar o ensino bíblico da volta de Jesus. Para fugir de possíveis "embaraços", a atitude adotada pela maioria dos pregadores cristãos é simplesmente IGNORAR O TEMA. Conheço pessoas que passaram anos em determinadas denominações cristãs, e nunca estudaram a fundo o livro de Daniel, o Apocalipse, os sinais da volta de Jesus, etc.

Por exemplo: Como pregar sobre a volta de Jesus, e a ressurreição que ocorrerá neste Dia (cf. 1Tess. 4:15-17), se tais igrejas ensinam que os mortos já estão "na glória", ou no "seio de Abraão", ou no "purgatório", ou mesmo no INFERNO!? Isso provoca um verdadeiro "nó" na mente dos fieis, pois não há como conciliar estes temas (se já estão "na glória", porque Paulo diz que os mortos sairiam das sepulturas para a ressurreição? Se já estão no céu, por que voltar para o pó e ressurgirem novamente??). Então, o melhor é ficar no silêncio...

Na maioria das denominações cristãs (notadamente as neo-pentecostais), prega-se muito sobre a prosperidade material, sobre a vida vitoriosa, sobre a "desamarração dos espíritos", etc., mas pouco, pouquíssimo, se fala sobre a vinda de nosso Senhor e Salvador.

Como Adventistas (ou seja, aqueles que aguardam o ADVENTO, a PAROUSIA, de Cristo), nós precisamos estar sempre trazendo este tema à tona, para que as pessoas de coração sincero e desejoso de conhecer a Palavra de Deus, sejam abençoadas por esta maravilhosa mensagem.

Sei que há muita gente que frequenta este blog e que ainda não faz parte da Igreja Adventista (sem falar nos que vivem enviando comentários heréticos...rsrs), e também há muitos jovens Adventistas que não têm um conhecimento firme da nossa doutrina, especialmente daquelas que nos distinguem como um povo profético.

Então...

Aproveito para relembrar um esboço (publicado originalmente no meu livro "101 Razões Porque Sou Adventista do Sétimo Dia") de COMO será a volta de Jesus, reforçando MAIS UMA VEZ, que o QUANDO, com todos seus detalhes especulatórios sobre datas, não faz parte da teologia Adventista do 7º Dia, pois a IASD NUNCA (isso mesmo, nunca! Se você ouviu algo diferente, é mentira!) se enveredou pelo caminho da marcação de datas para a volta de Jesus. Estou certo que alguns que leem este blog ainda não sabiam disso...

Jesus retornará em breve a este mundo, conforme Ele mesmo prometeu.

Uma das mais aguardadas promessas de Jesus foi a que Se refere ao Seu retorno a este mundo, colocando um ponto final ao pecado (cf. Jo 14:1-3). Jesus não diz o dia nem a hora do Seu aparecimento, e é um erro tentar marcar datas referentes a tais eventos (cf. Mt 24:36; Mc 13:32); porém, nos são apresentados “sinais” que indicariam a brevidade da volta do Senhor.

Tais sinais são claramente definidos na Palavra de Deus:
a) acontecimentos no mundo físico (cf. Mt 24:6-8, 29-31; Lc 21:7-28);
b) eventos no mundo religioso (cf. Mt 24:3-5);
c) avanço da pregação do evangelho (cf. Mt 24:14);
d) completo desprezo pela lei de Deus (cf. Mt 24:12; 1Jo 3:4). A palavra aqui traduzida por “iniquidade” é ANOMIA, a mesma usada para “transgressão da Lei”, em 1Jo 3:4;
e) conflitos sociais e familiares (cf. 2Tm 3:1-5); etc.

Através desse “quebra-cabeças” podemos verificar que praticamente todos os sinais já se cumpriram, ou estão se cumprindo rapidamente. Por isso, podemos ter a certeza de que muito em breve o nosso Senhor Jesus Cristo estará regressando nas nuvens do céu (cf. Lc 21:27; Ap 14:14-16; Tg 5:8).

Esta vinda será pessoal, visível e gloriosa.
Jesus voltará como um Rei, para buscar Seu povo. Portanto, não podemos crer que isso ocorrerá em secreto, com um “rapto” instantâneo, pois a Bíblia apresenta a volta de Jesus como um evento cósmico, que chamará a atenção de todo o Universo.

SERÁ PESSOAL
Jesus retornará em carne e osso, não apenas em espírito fluido ou algo parecido. Ele retornará de forma corpórea, do mesmo modo como ascendeu aos céus após a ressurreição (cf. At 1:6-11). Após a ressurreição, Ele apareceu para os discípulos em corpo físico e material, e é assim que retornará (cf. Jo 20:11-31; 21:1-14).

SERÁ VISÍVEL
É um tremendo equívoco acreditar que Jesus retornará em segredo, ou que apenas uns poucos O verão. A Bíblia é muito clara ao dizer que “todo olho O verá” (Ap 1:7; cf. Mt 24:27-30). Não há aqui qualquer margem para crer em algo secreto, pois todo o mundo verá o Rei do Universo regressando em majestade para resgatar Seu povo (cf. Jo 14:1-3).

SERÁ GLORIOSA
A Bíblia sempre fala da volta de Jesus de uma forma gloriosa, majestosa, sobrenatural e cataclísmica. Muitos serão os eventos naturais que anunciarão que o Rei dos reis está chegando (cf. 2Pe 3:12; 1Ts 4:15-17; Mt 24:30).

Os Adventistas creem que a volta de Jesus será o maior evento de toda a História do ser humano. Todo o Universo está ansiando por este momento. Aqui na Terra, os filhos de Deus estarão vivendo no período da tribulação e angústia, e estarão confiantemente olhando para o céu, aguardando a “pequena nuvem”, formada pelos anjos, que vai cada vez crescendo mais e revelando o Rei assentado em Seu majestoso Trono de glória.

Nosso nome denominacional já revela que a volta de Jesus (Seu advento) é nossa mais gloriosa esperança e certeza. Como Igreja, nos preparamos a cada dia para recebê-Lo nas nuvens do céu, certos de que, na hora exata, Ele virá.

Ora vem, Senhor Jesus!

UMA CERTEZA: Não haverá um “arrebatamento secreto” da Igreja.
 

Grande parte dos protestantes modernos crê que a igreja será arrebatada antes da volta de Cristo, para ficar livre da “tribulação” do fim dos tempos. Basicamente, eles acreditam nos seguintes pontos:
1. O arrebatamento secreto, que traslada a igreja de Deus da Terra para o Céu;
2. Uma tribulação de sete anos para todos os que forem “deixados para trás”;
3. O surgimento do anticristo, que assume o governo do mundo; e
4. A batalha final entre o anticristo e os judeus, que são libertados no Armagedom.

O Pr. Steve Wohlberg, um Adventista que é apresentador e diretor de programa de TV nos Estados Unidos, estudou que o arrebatamento secreto é o tema principal de uma escola teológica conhecida como Futurismo Dispensacional (ou Dispensacionalismo - Já viram aquela série de filmes/livros "Deixados para Trás"? Ela ensina esta heresia). Eles acreditam que todas as promessas que o Senhor fez a Israel no Antigo Testamento ainda se cumprirão, porém o serão literalmente apenas depois que a atual “dispensação” da Igreja terminar. Essa “dispensação da Igreja”, que começou no Pentecostes, continua até o arrebatamento, quando Cristo retornará secretamente para levar Sua igreja ao Céu. Assim que isso tiver lugar, Deus poderá então cumprir Suas promessas ao povo judeu.

São muitos os textos bíblicos usados para apoiar a teoria do “arrebatamento secreto”, como Mt 24:40 e 41. Neste tópico, utilizaremos como base o estudo do Pr. Wohlberg sobre 1Ts 4:17, no qual Paulo declara que quando Cristo voltar, todos os crentes vivos serão “arrebatados”.
 

Os futuristas dispensacionalistas acreditam que a expressão “arrebatados” neste verso significa “desaparecer sem deixar rastros”. Esse acontecimento é interpretado como algo que será obviamente notado, mas não compreendido pela maioria do mundo (inclusive são utilizados adesivos em automóveis tentando “alertar” os motoristas sobre possíveis desaparecimentos no trânsito). Para eles, Jesus supostamente retornará silenciosamente, de maneira invisível, não percebido pelo mundo, para arrebatar Sua Igreja e levá-la da Terra para o Céu. Depois que todos os cristãos houverem desaparecido, o mundo entrará num período cataclísmico de sete anos de tribulação. É assim que eles creem. Mas, é isso que a Bíblia ensina? Vejamos...

O contexto da passagem (1Tes. 4:17) revela que o retorno de Cristo é tudo, menos secreto! No verso 16, por exemplo, Paulo diz claramente: “Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus...”. Vemos claramente que esta descrição da volta de Jesus não dá margem a algum evento secreto, porém demonstra algo glorioso, retumbante, de esfera universal. O verso 15 usa a expressão “a vinda do Filho do homem”. A palavra grega para “vinda” é PAROUSIA, que é também usada em Mt 24:27 para descrever o incrível e majestoso retorno de Jesus Cristo como o relâmpago que resplandece pelo céu. Acaso Jesus estava pensando em um relâmpago como algo secreto e invisível? Parece que não...

O Pr. Wohlberg também observa que o contexto de 1Ts 4:17 não ensina que aqueles que não forem “arrebatados” serão conduzidos a um período de sete anos de tribulação. Mas explica que eles sofrerão “repentina destruição” e que “não escaparão” (1Ts 5:3).
Através de uma análise responsável do texto de 1ª Tessalonicenses, ver-se-á nitidamente que a segunda vinda de Jesus não resulta em um arrebatamento secreto, seguido por uma tribulação de sete anos. Não.

É muito clara a ideia que o texto bíblico nos passa de que a segunda vinda de Cristo é um retorno visível, audível e glorioso. Em Sua vinda, os santos são ressuscitados dentre os mortos e, juntamente com os santos vivos, os redimidos de todas as eras encontrarão com o Senhor “nos ares”.

Essa interpretação que os dispensacionalistas fazem dos 7 anos de tribulação baseia-se numa análise equivocada de Dn 9:24-27, onde especulam que a última semana (a 70ª) se cumprirá no futuro, com o aparecimento do anticristo, que firmará uma aliança com os judeus. Ora, vimos em tópicos anteriores que esta profecia das 70 semanas cumpriu-se cabalmente NO PASSADO, selando a profecia maior dos 2300 anos de Dn 8:14. É um crasso erro interpretativo dizer que a última semana deve ser separada das outras 69, por uma espécie de “parêntese”, pois tal afirmação não se encontra no texto bíblico, partindo tão-somente da interpretação fantasiosa de pessoas que não querem render-se à mensagem bíblica como ela é, e procuram sempre acrescentar interpretações conforme suas próprias concepções filosóficas ou teológicas pessoais.

A mensagem da Bíblia é muito clara. O caminho da salvação está AGORA aberto a todos (cf. Hb 3:7, 13, 15; 4:7; 2Co 6:2), inclusive aos judeus. Não podemos cair no erro de acreditar que haverá oportunidade de salvação após a volta de Cristo. Pois, na segunda vinda, tanto os ressuscitados como os santos vivos encontrarão com o Senhor “nos ares”, na mais gloriosa e pública manifestação do triunfo de Deus sobre o pecado e a morte, bem como sobre Satanás e seus agentes malignos.

Depois da Segunda Vinda, não haverá outra oportunidade de salvação.
Para ninguém!

"haverá grandes terremotos, epidemias e fome em vários lugares, coisas espantosas e também grandes sinais do céu" (Lucas 21:11).

Os últimos noticiários só trazem UMA NOTÍCIA: Jesus está voltando!

Aleluia! Vem, Senhor Jesus!


OBS.: Para aprofundar ainda mais os seus conhecimentos sobre o "arrebatamento", assista este vídeo com o Pr. Ivan Saraiva.

Nenhum comentário:

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões