sábado, novembro 27, 2010

Campanha Mundial pelo Ateísmo

Desde que filósofos "ilustres", como Richard Dawkins, resolveram iniciar uma ferrenha campanha publicitária contra a existência de Deus, não páram de surgir novos focos de ateísmo na mídia, além dos que já vemos "disfarçadamente" todos os dias.

Em 2009, foi iniciada em Londres uma forte campanha que tem como objetivo colocar em dúvida a existência de Deus. O slogan éá: "THERE'S PROBABLY NO GOD. Now Stop Worrying And Enjoy Your Life", algo como: "PROVAVELMENTE DEUS NÃO EXISTE. Agora páre de se preocupar e curta sua vida". Esta frase foi estampada nos ônibus londrinos, em fachadas de lojas, etc (clique aqui e veja mais).

A jornalista que deu início a este "projeto", sentiu-se incomodada depois que viu, também nos ônibus, uma propaganda de uma determinada Igreja Cristã. A publicidade fazia menção à volta de Jesus, e depois indicava um site para mais informações. Ao acessar este site, ela se deparou com a seguinte ameçada "aterradora" aos não-crentes: "Você será condenada a separar-se de Deus e passará a eternidade em tormento no inferno".

Foi o suficiente para inflamar a ira desta defensora do ateísmo, que iniciou uma campanha de arrecadação de fundos para seu projeto ANTI-DEUS. Em meados de 2009 ela já havia acumulado o equivalente a quase R$ 400.000,00 em doações.

A Revista Época também trouxe entrevista com uma família de ateus argentinos, na qual os pais demonstram seu "orgulho" em transmitirem aos 3 filhos pequenos a filosofia de vida que defendem. Recentemente o casal lançou aqui no Brasil o livro "Filhos sem Deus", onde ensinam como transmitir o ateísmo aos pequenos.

Em um ponto da entrevista, o casal (ele filósofo, e ela psicoterapeuta de crianças) afirma:

"As pessoas sempre educam os filhos de acordo com suas crenças. Nós vamos educá-los por nossas convicções. E achamos que a fé não é algo saudável para eles", afirma Rozitchner, que se refere aos filhos como "os três ateuzinhos".

O curioso é observar que o casal recebeu orientação religiosa, ou seja, ele vem de família judaica, e ela de família católica. O que os levou, então, a se tornarem ateus? Veja o que ela diz:

"Quando eu tinha 16 anos, por aí, comecei a ganhar responsabilidades na vida, passar por algumas experiências que me fizeram duvidar de Deus. E fui me dando conta de que não havia uma figura divina. O sentido da vida mudou totalmente para mim. Percebi que a chave do cotidiano era viver o presente sem fugir de suas obrigações, sem delegar a um ser superior. Conheci o Alejandro só com 25 anos e logo me identifiquei com a sua perspectiva de vida. Ele não me 'converteu', mas nosso relacionamento deixou mais claro para mim o que era uma visão ateísta do mundo".

Há algum tempo, eu escrevi aqui sobre esta onda crescente de ateísmo na mídia:
"Os ateus são mais inteligentes. Será?"
"Quem são os verdadeiros ateus"
"Realmente existem ateus?"

Mas o que me chamado a atenção é que, na grande maioria dos casos, as pessoas se voltam contra a religião, e conseqüentemente contra Deus, devido ao comportamento hipócrita, contraditório ou fanático dos próprios crentes, ou seja... nós!

Vê o exemplo da jornalista que citei acima? Tudo começou porque ela se viu CONDENADA AO FOGO ETERNO DO INFERNO, porque não cria mais em Deus. É uma pena que tanta gente ainda prefira acreditar nesta heresia pagã de que Deus condenará eternamente Seus filhos rebeldes às fornalhas do diabo. Estes dias recebi um e-mail de um senhor que se dizia indignado com os Adventistas, exatamente porque, entre outros pontos, nós não cremos no Inferno. E não podemos crer mesmo, porque é uma doutrina absurdamente anti-bíblica (clique aqui e se aprofunde sobre isso), e incompatível com tudo que as Escrituras declaram sobre o caráter de Deus.

Em uma aula de uma das disciplinas do Mestrado em Sociologia da UFPB (na qual eu estava como "aluno especial"), os participantes foram solicitados a dizerem quais seriam seus projetos de pesquisa. Uma das alunas da turma é titular da Delegacia da Mulher, e provocou um certo "ar de riso" entre os outros colegas após dizer que queria estudar a violência doméstica no seio das famílias professamente evangélicas. Após um momento de risinhos e gracejos (vocês podem imaginar!), ela disse que em seu trabalho tem ficado chocada com a crescente quantidade de casos de maridos (inclusive líderes: pastores, presbíteros, diáconos, etc.), que são verdadeiros "demônios" dentro de casa, oprimindo e agredindo esposa e filhos, mas que na Igreja, diante da congregação, assumem a postura hipócrita de "servos imaculados de Deus".

Entende o que estou falando?!

Parte da culpa pela crescente onda de descrença para com a instituição chamada "Igreja", e para com os "religiosos", pode ser atribuída a este falso ar de santidade e de "sou melhor que você" que muitos cristãos adotam.

Como Adventistas do 7º Dia, estamos sempre preocupados com as últimas profecias, os decretos dominicais pelo mundo afora, as perseguições religiosas, a guarda do sábado, etc., etc. Mas não podemos nos esquecer de que professamos uma fé muito nobre, a qual DEVE nos tornar pessoas diferentes e "melhores", não no sentido de sermos superiores aos outros, pois não o somos, mas no sentido de que a religião deve provocar em nossa vida uma mudança tal, que atraia as pessoas para Jesus... e não as afaste dEle. Alguns de nós são bastante ávidos por descobrirem os pormenorizinhos das doutrinas e das profecias de Daniel e de Apocalipse, mas relaxam grandemente nos pequenos atos de ética e cortesia do dia-a-dia, por exemplo.

Qual o tipo de Cristianismo que temos evidenciado dentro de nossa família? Ou no trabalho? Ou na escola? Ou com os colegas da academia? Ou com nossos "irmãos" de Igreja?

Enfim, quando as pessoas olham para nós elas estão vendo cristãos sinceros e equilibrados, ou pessoas fanáticas, grosseiras, arrogantes e orgulhosas, que fazem da fé uma "muleta" ou um "escudo" para seus traumas pessoais?

Dependendo da situação, nós poderemos estar produzindo os próximos ATEUS de nosso trabalho, de nossa escola, de nosso bairro, da nossa igreja... da nossa família.

Pense nisso!

"Vós sois a luz do mundo" - Mateus 5:14

3 comentários:

Rafael Silva disse...

Realmente devemos tomar bastante cuidado com o ar de santidade e superioridade, que muitos demonstram. Devemos viver uma vida santa, separado para Deus, atraindo as pessoas para perto dEle e não afastando. Porque o nosso Deus é um Deus de inclusão e não de exclusão, perdão e não condenação.
Um forte abraço e estejam com Deus!

juares azevedo disse...

Pastor Gilson, tenho acompanhado seu blog há vários meses e percebo a sua grande preocupação em combater as aparências que campeiam a vida de muitos professos cristãos. Concordo plenamente com as suas afirmações. Sabemos que o diabo entende perfeitamente que a grande base de uma sociedade, principalmente a cristã, é a família. Daí agrande preocupação dele em manchar esta instituição milenar que Deus instituiu. É através das intrigas familiares que o diabo tem conseguido destronar muitos cristãos. Oremos ajoelhados a cada dia para que possamos caminhar firmes nas promessas de Jesus.

Gilson Medeiros disse...

Olá, Juares.
Obrigado pelo comentário.

Vc está corretíssimo! É mesmo na destruição das famílias que o inimigo tem focado seus mais fortes ataques.

Um abraço.
Gilson.

Cursos Básico, Médio e Avançado

Ebook 101 Razões